Trump diz que EUA deixarão Parceria Transpacífico

trump-e-obama-reproducao-facebook
O republicano Trump promete derrubar principal medida adotada pelo democrata Obama para desenvolver comércio internacional. Foto: Reprodução/Facebook

O presidente eleito norte-americano Donald Trump, disse – em vídeo divulgado na noite dessa segunda-feira (21) – que anunciará a retirada dos Estados Unidos da Parceria Transpacífico logo depois que tomar posse, em 20 de janeiro de 2017.

A Parceria Transpacífico é um acordo de livre comércio assinado em 5 de outubro de 2015, envolvendo Estados Unidos, Malásia, Japão, Vietnã, Cingapura, Brunei, Austrália, Nova Zelândia, Canadá, México, Chile e Peru e é a principal aposta do presidente Barack Obama para o desenvolvimento do comércio internacional.

Gás de xisto – Trump também informou que eliminará as restrições – referentes ao controle ambiental – à produção de energia, incluindo a produção de gás de xisto. Durante a campanha deste ano, ele afirmou que tais restrições trazem sérios prejuízos à economia norte-americana.

Outra medida anunciada é proteger a infraestrutura dos EUA de ciberataques e outras formas de ataque. Quanto aos imigrantes, disse que vai orientar o Departamento do Trabalho para investigar “os abusos dos programas de vistos que prejudicam o trabalhador americano”. No que se refere à ética de funcionários no governo, afirmou que vai impor  uma proibição de cinco anos para que os funcionários executivos se tornem lobistas.

Criação de riquezas – No vídeo, divulgado pelo YouTube, Donald Trump falou sobre a importância das medidas que anunciará no primeiro dia de seu governo: “Quer se trate de produzir aço, construir carros ou curar doenças, quero que a próxima geração de produção e inovação aconteça aqui, na nossa grande pátria: a América – criando riqueza e empregos para os trabalhadores americanos”.

O vídeo é uma das poucas oportunidades que o público norte-americano tem de ouvir Trump diretamente. Desde que foi eleito há duas semanas, o republicano tem evitado falar com os jornalistas. Em vez disso, ele tem usado as redes sociais.