Torre de TV será revitalizada

Foto: Roberto Castro/Mtur

A Torre de TV, um dos principais pontos turísticos de Brasília, vai ganhar cara nova. Na manhã desta terça-feira (29), representantes das secretarias de Turismo (Setur) e de Projetos Especiais (Sepe) do GDF, da Novacap e do Banco de Brasília (BRB) assinaram um Acordo de Cooperação Técnica (ACT) para o desenvolvimento de projeto de revitalização do local e a criação do Corredor Cultural do Banco de Brasília (CCBRB).

O acordo transfere a gestão da Torre de TV, da fonte luminosa, da feira de artesanato e do Jardim Burle Marx ao BRB por 20 anos – prazo que poderá ser ampliado. O banco vai investir R$ 40 milhões na revitalização e valorização desses espaços.

“É um ato que revela nossa paixão por Brasília”, destaca o governador Ibaneis Rocha. “Temos muitos locais desta cidade que ficaram num estado de dificuldade. Vários monumentos abandonados, assim como nosso direito de sonhar. Nós vamos mudar isso e transformar Brasília na capital do turismo e da cultura. Essas parcerias vêm no intuito de ajudar a nossa cidade da melhor maneira possível.”

Um dos objetivos acordo é reativar o espaço turístico da Torre de TV, fechado há mais de quatro anos. A parceria prevê a construção de uma agência-modelo e de um museu para contar a história de Brasília.

“É um ato que revela nossa paixão por Brasília” Ibaneis Rocha, governador do DF.

Referência turística

Projetada pelo arquiteto e urbanista Lucio Costa e inaugurada em 1967, a Torre de TV teve como inspiração a Torre Eiffel, de Paris (França). Seu mirante, que  apresenta uma vista privilegiada, de Brasília voltará a ser referência para os turistas.

“Vamos construir um grande boulevard [caminho arborizado], permitindo que a população volte a frequentar a área”, adianta o presidente do BRB, Paulo Henrique Costa. “Essa será uma das maiores marcas desta gestão, devolver um equipamento dessa envergadura para Brasília.”

O presidente do BRB, Paulo Henrique Costa, anunciou a construção de um boulevard, para que as pessoas voltem a poder circular pela área: “Essa será uma das maiores marcas desta gestão” | Foto: Renato Alves / Agência Brasília

Para a administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro, as obras citadas são de uma “importância cultural e logística para Brasília”. A secretária de Turismo, Vanessa Mendonça, reforça que, com o ato, o governador Ibaneis mostra que “está de mãos dadas com o passado e o futuro da cidade”. À Secretaria de Projetos Especiais  caberá atuar na coordenação e na fiscalização do cumprimento das metas estabelecidas no plano de trabalho.

Natal Monumental

Em parceria como a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Distrito Federal (Fecomércio-DF), o GDF promoverá o Natal Monumental, com cenário lúdico e cheio de luzes ao redor da Torre. As festividades reforçam a importância do monumento e do Natal.

De 7 de dezembro deste ano a 6 de janeiro de 2020, uma megaestrutura estará montada ao lado da Torre de TV, no Eixo Monumental. Além de uma área dedicada à gastronomia, o local será palco de espetáculos como um concerto apresentado pela Orquestra Filarmônica de Brasília e atrações natalinas envolvendo bailarinos, cantores, músicos e atores. Melhor ainda: tudo gratuito.

Todas as noites, às 20h, serão ligados os equipamentos da iluminação que transformará a torre na maior árvore de Natal do Brasil. Na noite de estreia das luzes, 7 de dezembro, haverá um show pirotécnico de três minutos de duração.

Nova iluminação

Em junho, a Companhia Energética de Brasília (CEB) finalizou a instalação de luminárias LED na Feira da Torre de TV. Elabodada em parceria com a Secretaria de Obras e Infraestrutura (SODF), a  obra faz parte do projeto de revitalização para tornar o DF mais iluminado e seguro.

Foram substituídas 76 luminárias convencionais por equipamentos de LED e instalados 55 postes de aço com a mesma tecnologia de iluminação, totalizando 131 novos pontos. Esse tipo de equipamento, além de trazer mais luminosidade para o local, pode gerar uma economia de até 60% para o GDF, já que as luzes de LED possuem 60 mil horas de vida útil e perdem apenas 30% da capacidade quando atingem esse tempo, ao passo que as lâmpadas de vapor de sódio queimam quando atingem 32 mil horas. O valor investido pelo GDF na obra foi de R$ 469.412,69, montante que retornará aos cofres públicos com a economia de energia.

Deixe um comentário