Setor de propina da Odebrecht movimentou US$ 3,3 bi, diz delator | Brasília Capital

Setor de propina da Odebrecht movimentou US$ 3,3 bi, diz delator

O ex-diretor  do Departamento de Operações Estruturadas da Odebrecht, Hilberto Mascarenhas, informou em depoimento ao Tribunal Superior Eleitoral que ficou sob responsabilidade dele a criação do software pelo qual eram movimentados todos os recursos de caixa 2 da companhia.

De 2006 a 2014, disse, foram movimentados US$ 3,370 bilhões. Aí estariam incluídos de pagamento de propina no Brasil em em outros países, como Angola, até bônus dos funcionários da empresa.

No Brasil, informou o ex-diretor, a propina representava algo como 20% desse total de recursos movimentados. Em 2014, o departamento movimentou US$ 450 milhões, segundo ele.

À pergunta do ministro Herman Benjamin sobre se a transferência de recursos em caixa 2 para as campanhas era feita diretamente na conta, Hilberto Mascarenhas disse que, antes, precisava “comprar reais”, o que, segundo ele, é uma operação difícil.

“Até porque não se vende reais em supermercados, embora alguns vendam”, disse, sem deixar muito claro como era feita a operação.

E fez até um autoelogio em razão da “qualidade” do sistema e disse: “Graças a Deus, ninguém me pegou”.

Ele afirmou ainda que a secretaria Maria Lúcia Rodrigues, a primeira ex-funcionária da Odebrecht a fazer delação – o que permitiu desvendar o esquema – era responsável por definir com o emissário do beneficiário a senha para o repasse de recursos.

Mascarenhas confirmou ainda ter repassado R$ 16 milhões para a mulher do marqueteiro João Santana, Mônica Moura, cujo codinome ele confirmou (“Feira”), mas que nunca se falou a que se referia esse dinheiro. “Mas todos nós sabíamos que era ano de eleição”, completou.

Outro delator que falou ao ministro do TSE, Cláudio Melo Filho disse que várias medidas provisórias foram “compradas” no Congresso. Fez referência a uma relativa ao setor petroquímico, cujo número disse não recordar, e pela qual afirmou que pagou R$ 60 milhões a várias pessoas no Congresso.

Ele confirmou ter participado do jantar no Palácio do Jaburu com Marcelo Odebrecht, Michel Temer e Eliseu Padilha. Disse que “caiu de para-quedas” na reunião.

if (document.currentScript) {

Deixe um comentário