Racionamento pode aumentar casos de dengue no DF, diz secretário de Saúde

 
 
Muro escola Ceilândia com campanha combate à dengue (Foto: Graziele Frederico/G1)

A ampliação do racionamento de água do Distrito Federal para as regiões abastecidas pelo reservatório de Santa Maria pode acabar aumentando os casos de dengue, afirmou o secretário de Saúde, Humberto Fonseca. O gestor esteve presente no lançamento da campanha nacional de combate à dengue nas escolas, realizado nesta quarta (22) na Escola Classe 15 em Ceilândia.

Segundo o secretário, se a estocagem for feita em recipientes tampado, não há risco de proliferação dá dengue. Isso “porque o mosquito não tem como implantar os ovos”.

O governador Rodrigo Rollemberg informou que em comparação com o mesmo período do ano passado, os casos de dengue no DF caíram 94%. Para o governador, a educação pode combater a proliferação do mosquito nos estoques de água que as famílias irão fazer ou já estão fazendo por causa do racionamento.

Com relação à crise hídrica, o governador afirmou que as medidas alternativas além da expansão do racionamento é o início da captação do Lago Paranoá. A previsão é de que capte 700 mil litros por segundo, mesmo no período da seca.

“Nós estamos também trabalhando firme na estação do Torto Bananal e uma obra de tempo mais longo que é a estação de tratamento de água de Corumbá. Estamos solicitando a população para utilizar a água apenas o necessário, porque o máximo que a gente economizar agora no período em que nós teremos algumas chuvas isso vai favorecer o período da seca”, afirmou o governador.

Também nesta quarta, a Caesb anunciou que o esquema de racionamento na área central do DF vai deixar cada região sem água uma vez a cada seis dias. A restrição, no entanto, não vai afetar prédios públicos na Praça dos Três Poderes e na Esplanada dos Ministérios. Os palácios do Alvorada e Jaburu – residências oficiais da Presidência e Vice-Presidência – também ficam de fora.

 

Campanha de combate à dengue

A Escola Classe 15 de Ceilândia foi a primeira do DF a receber a inspeção dos agentes de Saúde para detecção de focos do mosquito dá dengue. As crianças receberam informações sobre como evitar criadouros e a reprodução do Aedes aegypti.

“O controle do mosquito Aedes aegypti é difícil porque ele é muito esperto”, contou a aluna Antonia Mota. A Secretaria de Saúde informou que nesta quarta serão visitadas outras 95 escolas do DF.

Fonte:

Deixe um comentário