Projetos inscritos no FAC

A Secretaria de Cultura do Distrito Federal divulgou  o edital de seleção para pareceristas que atuarão na avaliação e emissão de análise técnica dos projetos inscritos no Fundo de Apoio à Cultura (FAC) do DF.

 

As inscrições para o cargo acontecerão de 16 de janeiro a 16 de fevereiro de 2014, pela internet, nos sites da Secretaria de Cultura (www.cultura.df.gov.br) e do Fundo de Apoio à Cultura (www.fac.df.gov.br). A seleção é nacional.

 

Os pareceristas serão credenciados em três níveis diferentes: júnior, para projetos de baixa complexidade; sênior, para projetos de média complexidade; e pleno, para projetos de alta complexidade.

 

Cada projeto será analisado por três pareceristas, e a média das três notas será repassada para validação do Conselho de Cultura do DF, que continua como a instância que aprova os projetos.

 

Para isso, os inscritos serão selecionados de acordo com a qualificação técnica e a experiência. Eles serão avaliados por cinco pessoas: três membros do Conselho de Cultura e dois do FAC.

 

Cada parecerista será credenciado para emitir análises em até três linguagens culturais escolhidas no ato da inscrição.

 

Após a seleção, eles passarão por um treinamento presencial e uma prova prática, na primeira quinzena de março, que consistirá na emissão de uma análise.

 

Depois de selecionados, os projetos serão distribuídos entre os pareceristas de acordo com a finalidade, linguagem, nível de complexidade do projeto, nível de qualificação e classificação do perito.

 

“A decisão de fazer uma seleção para criar um banco de dados de consultores vem do grande volume de projetos que chegam à secretaria para análise. Número este que aumenta ano a ano”, explicou o subsecretário de Fomento, Leonardo Hernandes.

 

Segundo ele, esse banco de consultores dará mais celeridade aos processos protocolados na secretaria.

 

Áreas – Os inscritos devem estar habilitados para análise de projetos voltados para criação e produção cultural; registro e memória; difusão, circulação e acessibilidade; indicadores, informações e qualificação; infraestrutura e equipamentos; ou manutenção de grupos e espaços.

 

Eles também devem estar habilitados para análise em um das seguintes linguagens: música, ópera e musicais; teatro; audiovisual; artes plásticas e visuais; literatura, inclusive obras de referência; cultura popular e manifestações tradicionais; patrimônio histórico e artístico material e imaterial; rádio e televisão educativos e culturais sem caráter comercial; dança; manifestações circenses; artesanato; gestão, pesquisa, difusão e capacitação nas áreas artística e/ou cultural; design e moda ou cultura digital e arte-tecnologia.

Fonte:

Deixe um comentário