Lata d’água na cabeça

Morador do Núcleo Rural Monjolo, no Recanto das Emas, Júnior Pires diz que a Caesb cobra a conta de água da população local sem fornecer o serviço. Embora o núcleo rural tenha rede de abastecimento, os moradores precisam comprar água numa chácara próxima e transportá-la em baldes. Quando não têm dinheiro para encher o galões, vão até o córrego da região e usam água sem tratamento. Pires diz que a Caesb foi avisada várias vezes, mas nunca tomou providências.

Nota da Caesb:

A  Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb) informa que não há desabastecimento no local e, sim, uma diminuição da pressão da rede devido ao alto número de ligações clandestinas no Núcleo Rural Monjolo. A Companhia esclarece que já realiza ações de fiscalização na região e que irá intensificar ainda mais os trabalhos realizados para combater esse tipo de prática.

Deixe um comentário