Empresa de Cunha trocou de diretor após depoimento à CPI

cunha_novo_cam15102015_264

Desde que a Operação Lava Jato foi deflagrada, em março de 2014, quatro registros foram feitos nos documentos da empresa offshore em Cingapura usada pelo deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) para abrir uma conta bancária na Suíça.

Um deles ocorreu duas semanas após o presidente da Câmara dos Deputados negar à CPI da Petrobras, em depoimento espontâneo, ter dinheiro no exterior. Cunha depôs no dia 12 de março deste ano.

No dia 25 daquele mês, a empresa Netherton Investments, de Cingapura, mudou o nome do seu representante no país, segundo documentos obtidos pela Folha no país asiático. A troca ocorreu na véspera do bloqueio de uma conta da empresa na Suíça com US$ 2,4 milhões.

De acordo os papéis, um homem identificado como Joseph William McBurney, de nacionalidade britânica e com residência em Cingapura, foi designado diretor da offshore em março.

Os registros não mencionam o nome de seu antecessor -provavelmente uma australiana, conforme reportagem da Folha publicada neste domingo (18).

Seriam ambos “laranjas”, segundo informações enviadas pelo Ministério Público suíço ao Brasil, escalados para lavar dinheiro do esquema de corrupção na Petrobras.

Os documentos apontam ainda mais três registros ligados à offshore desde a primeira fase da Lava Jato.

Um deles ocorreu no dia 10 de julho de 2014, quando uma pessoa chamada Carandang Katheryn Perez, natural de Cingapura, assumiu como “secretária” -possivelmente outro “laranja”.

Não há detalhes do que se tratam as outras duas ocorrências, em agosto e setembro do ano passado.

Conforme a Folha mostrou na sexta (16), a Netherton foi criada em julho de 2008 e tem como controladora uma empresa chamada PVCI.

O diretor desta última firma é Luis Maria Pittaluga, que abriu uma conta para o ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró na Suíça, no mesmo período de 2008.

Cerveró e Cunha são acusados de envolvimento num esquema de propina em um contrato de US$ 1,2 bilhão da Petrobras. O Supremo Tribunal Federal ainda não decidiu se aceita a denúncia contra o presidente da Câmara. Cerveró foi condenado por causa do episódio.

O presidente da Câmara tem se negado a comentar sua relação com offshores.

Sob pressão na Câmara, ele mantém o discurso de que não tem contas no exterior e é vítima de perseguição da Procuradoria-Geral da República. (Leandro Colon)


Leia mais:


 

A montanha pariu um rato


TCU abre processo para apurar se ‘pedaladas’ continuaram em 2015


Fernando Baiano diz ter pago a nora de Lula e a Eduardo Cunha


 

 

Fonte: ,

Deixe um comentário