E por falar de amor, sem dor

Talvez eu tenha me cansado de esperar por nós. De não te ouvir chamar. De não te ver chegar. E de tanto saber que você não ia girar a maçaneta, perdi o medo de trancar a porta e desligar a campainha. Agora eu moro só, sem olhos fixos na janela, sem a esperança de te ver entrar.

Talvez eu tenha recolhido as pistas do caminho. Tenha permitido que as pegadas se apagassem por qualquer cruzamento invasivo, por qualquer passagem que não fosse em direção de te encontrar. Não guardei teu lugar. Não te pedi para se apressar. Talvez eu tenha seguido em frente, sem passos calculados para você me alcançar.

Recolhi meus desejos. Engavetei minhas fantasias. Apaguei o convite escrito na testa. Parei de acenar. Talvez você nem tenha percebido. Talvez você, de fato, nunca tenha parado para me olhar. Fui eu quem ficou aqui, desgastado em meus impulsos de te convencer a amar.

Fui um ignorante de amor, porque não aprendi a forma exata de te acompanhar. Amor não é correr atrás, não é cercar a volta. Amar é se preparar para receber, e dar motivos para o outro ir retornando, até o momento seguro de ficar.

Fui ignorante de amor, porque acreditei que berrar meus sentimentos por você era a forma mais clara de te ajudar a nos escutar. Hoje eu sei, amar não é falar o que sente, mas é traduzir o sentimento em demonstrações que o outro, se estiver pronto, irá perceber sem esforços de enxergar.

Fui um ignorante por acreditar que você precisava de ajuda para entender o que sente quando, na realidade, amar não é convencer por informações contundentes. Amar é perceber e não ter que explicar.

Fomos ignorantes. E talvez tenha sido a única coisa que tenhamos sido em comum. Agora eu aprendi que dei passos maiores do que eu podia, e isso me fez cair a ponto de ir embora e não querer mais retornar.  Agora eu aprendi que você não precisava de um guia. Que no fundo era apenas a sua covardia te impedindo me encontrar.

Amor flui pela intenção que o outro dispõe. Você foi ignorante quando quis que eu te ensinasse o amor, e eu fui ignorante por acreditar que o amor poderia ser colocado em lições para quem não abriu o coração para se entregar.

 

Leia Mais:

Ainda não, mas há

Que Seja Infinito?

Maldade sua é não saber partir

Fonte:

Deixe um comentário