Divertido aprendizado

Mundo da tecnologia mostra a importância da água, num aprendizado com divertimento. Foto: Renato Araújo/Agencia Brasilia.

 

 

Estudantes do ensino infantil à educação de jovens e adultos (EJA) das redes pública e privada do Distrito Federal podem visitar a Vila Cidadã durante o 8º Fórum Mundial da Água, que ocorre em Brasília. As unidades de ensino podem inscrever grupos para visitas livres. A vila fica aberta até sexta-feira (23), das 9 às 21 horas, no estacionamento do Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha. Para isso, é preciso acessar a página de credenciamento no site oficial do fórum e escolher a opção de inscrição em grupo. É possível agendar por dia e horário.

Entre as atrações da Vila Cidadã, uma das mais disputadas é a instalação Asa Delta, voe pelas águas do Brasil, que fica no Espaço Green Nation. “Você pensa que está no ar. Passei por cachoeiras, vi pessoas pescando, fui ao Rio de Janeiro e ao Amazonas, que eu já tinha estudado na escola que é um lugar com muita vegetação e água”, resumiu Juliana Ferreira, de 13 anos, sobre a experiência.Ainda afoita após usar o simulador de realidade virtual, a estudante do sétimo ano no Centro de Ensino Fundamental 10 de Ceilândia acertou sobre o percurso.

A viagem, que começa no Rio de Janeiro, passa por diferentes lugares, como Pantanal, Foz do Iguaçu (PR) e Manaus (AM), para mostrar a água, por exemplo, no transporte, na alimentação e na geração de energia. Também no Green Nation — aberto até as 18 horas —, os estudantes conhecem mais sobre a Antártica. Flocos de isopor que simulam neve despertam a curiosidade e os ambientam para um tour por um laboratório — com espécies exclusivas do chamado continente de gelo — e por uma sala que reproduz um dormitório para cientistas que trabalham em condições de frio extremo.

Criança Candanga

No Espaço Brasília, os estudantes aprendem e se divertem na área do programa Criança Candanga, conjunto de políticas públicas voltadas para a infância e a adolescência em Brasília. Lá, eles podem passar pelo Museu do Cerrado, ver animais taxidermizados e observar, em um aquário, com o auxílio de microscópio, insetos aquáticos. Pela mesma instalação, há as arenas kids, dotadas de atividades com vídeos, e a jovem, além do chamado Espaço Direitos, em que as crianças podem desenhar e pintar. Em algumas situações, após interagirem na arena, a ideia é que elas desenhem algo relativo aos direitos da criança. No local, também são oferecidas atividades do Departamento de Trânsito do DF (Detran-DF). Com os colegas do Centro de Ensino Infantil 416 de Santa Maria, Caio Santos, de 5 anos, aprendeu no jogo da memória o significado de algumas placas. “Quando tem a pessoa na cadeira de rodas, é porque só ela pode usar (a vaga)”, explicou.

Na instalação Sabores e sentidos, Felipe André Silva, de 13 anos, que cursa o oitavo ano no CEF 10 de Ceilândia, ficou surpreso ao saber como é feito o processo de reciclagem de embalagens em uma indústria. “Eu aprendi sobre reciclagem na escola, no quinto ano. Mas lá eu fiz um experimento simples, com peneira. Não sabia que faziam com grandes máquinas”, contou. Antes, no mesmo estande, os visitantes experimentam, com os olhos vendados, sucos que têm ingredientes típicos do Cerrado. Na Vila Cidadã, diversos órgãos do governo de Brasília apresentam projetos e iniciativas locais relacionadas à água, como o fechamento do lixão da Estrutural para resíduos comuns e práticas de reaproveitamento da água na agricultura.

Já na entrada, antes do credenciamento, os visitantes têm acesso ao Expresso Ambiental, ônibus da Companhia de Saneamento Ambiental do DF (Caesb) adaptado para ações de conscientização. Com maquetes no interior do veículo, é mostrado todo o ciclo de saneamento, desde a captação da água ao tratamento do esgoto.

Histórico

Criado em 1996 pelo Conselho Mundial da Água, o fórum foi idealizado para estabelecer compromissos políticos acerca dos recursos hídricos. Em Brasília, é organizado pelo Conselho Mundial da Água, pelo governo local — representado pela Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico (Adasa-DF) — e pelo Ministério do Meio Ambiente, por meio da Agência Nacional de Águas (ANA).

fórum ocorre a cada três anos e já passou por Daegu, Coreia do Sul (2015); Marselha, França (2012); Istambul, Turquia (2009); Cidade do México, México (2006); Kyoto, Japão (2003); Haia, Holanda (2000); e Marrakesh, no Marrocos (1997).

8º Fórum Mundial da Água

Até 23 de março (sexta-feira)

No Centro de Convenções Ulysses Guimarães e no Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha

*Vila Cidadã das 9 às 21 horas

Inscrições abertas no site oficial do evento

Deixe um comentário