Aprender, desaprender, reaprender

Cruzeiro do sul. Cildo Meireles, 1969.

Em meio à quarentena, muitas pessoas vêm sofrendo com falta de criatividade ou de produtividade. Porém, o que poucas pessoas sabem, é que esse processo é mais simples do que imaginam. O que você tem feito de novo, ultimamente? É difícil ter novas ideias, ou inovar, em processos existentes, se estamos fazendo a mesma coisa, ou consumindo das mesmas fontes de inspiração.

Para mantermos o olhar curioso para o mundo, mesmo imersos no cotidiano, precisamos permitir que o comum se faça novo. Trata-se de fazer com que o ordinário se faça interessante. Afinal, quanto mais ricas e plurais nossas vivências, maiores as chances de nos tornarmos sujeitos mais criativos e resilientes ao enfrentamento das dificuldades do mundo.

Um exemplo perfeito seria a arte. Sendo aberta em suas diversas abordagens, ela carrega múltiplas possibilidades de sentido e de experiências. Faço um convite para que encaremos essa experiência de quarentena como uma oportunidade de experienciarmos uma outra possibilidade de descoberta do mundo. Um lema constante deveria ser: aprender, desaprender, reaprender.

Paisagem Interrompida//Submersões
série Zona de Conforto
Coleção de impressões à jato de tinta sobre blisters metálicos de remédio
dimensões variadas, 2020. Iris Helena.

Sendo assim, pense na sua rotina, na sua casa, no movimento que você faz, que acredita conhecer. Perceba o que nunca percebeu. Olhe para lugares que jamais olhou por mais de um minuto! Proponha-se a assumir diferentes ângulos de observação. Por exemplo: o que reside dentro daquela gaveta que você nunca abre?

Olhe para o ambiente em que você se encontra como se tivesse acabado de chegar em um novo país. Perceba que entre ver e não ver existe um novo mundo. Mas lembre-se: aqui não se trata de ver tudo, mas sim de se aproximar, de situar o seu olhar de uma forma diferente do habitual.

Veja o mesmo, no mesmo espaço de sempre, mas de uma forma totalmente nova.

(*) Formanda de Teoria Crítica e História da Arte da UnB

Deixe um comentário