CPI da Saúde do DF ouve mais três pessoas nesta quinta-feira

A médica do Samu Olga Oliveira fala à CPI da Saúde, na Câmara Legislavia do DF (Foto: Rinaldo Morelli/CLDF/Divulgação)
A médica do Samu Olga Oliveira fala à CPI da Saúde, na Câmara Legislativa do DF, no último dia 2 de junho (Foto: Rinaldo Morelli/CLDF/Divulgação)

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Saúde, da Câmara Legislativa do Distrito Federal, deve ouvir nesta quinta-feira (9) o presidente do Sindicato dos Auxiliares e Técnicos em Enfermagem do DF, João Cardoso da Silva, o presidente do Conselho Regional de Odontologia do DF, João Samir Najjar, e o presidente do Conselho de Saúde do Paranoá, João Gomes. O colegiado se reúne a partir das 9h.

A CPI investiga a má gestão de recursos na área entre janeiro de 2011 e março de 2016 (durante a gestão de Agnelo Queiroz e no início do governo Rollemberg).

Na semana passada, a médica do Samu Olga Messias Alves de Oliveira disse à comissão que o GDF gastou R$ 1,024 milhão do Samu na compra de cinco caminhões para situação de catástrofe, entre 2013 e 2014.

De acordo com a médica, a aquisição de tantos veículos era desnecessária porque só são utilizados em situações especiais. Ela também disse que o GDF usou recursos do Samu para a compra de equipamentos não utilizados pelo serviço, como kits para exames cardiológicos e oftalmológicos.

“Essa era uma denúncia que eu já tinha recebido, com compra dos caminhões por R$ 1 milhão, que me parece desvio de recursos. Usaram o Samu como ‘barriga de aluguel’, pegaram o dinheiro que era do Samu para comprar itens que são da rede hospitalar”, afirmou o presidente da CPI da Saúde, Wellington Luiz (PMDB).

O deputado disse que a comissão iria fazer um levantamento junto à Secretaria de Saúde para saber onde estão os caminhões e o que foi feito dos aparelhos usados para exames cardiológicos.

Segundo Olga, esses produtos foram comprados em 2008 e custaram R$ 3 milhões. Como o GDF não comprou a geladeira especial para manter os kits na temperatura adequada, os exames não foram utilizados.

“Esses kits têm que ser armazenados a – 6ºC. Eles não deveriam fazer a compra por não ter a geladeira. Mesmo isso ocorrendo em 2008, todos os demais secretários de Saúde que vieram depois não tomaram providência, para que o prejuízo fosse amenizado”, disse o presidente da CPI.

“A doutora Olga apontou a pessoa responsável, quem deu parecer contrário à compra, e também quem autorizou a compra. Nós vamos chamá-lo para vir a CPI explicar por que a compra foi feita”, afirmou.

Durante o depoimento, a médica do Samu também criticou a estrutura do serviço. Segundo ela, o sistema tem falhas justamente por falta de recursos. “Temos que acabar com essas ilhas dentro da secretaria, que não tem uma informática decente, atualizada, a fim de que a gente pare de perder dinheiro”, disse a médica que já foi gestora da UTI Neo Natal, do Hospital Materno-Infantil deBrasília (HMIB). “As unidades da Secretaria não falam entre si.”

A médica falou ainda da falta de padronização das bases do Samu, que foi denunciada em relatório pela Controladoria Geral da União. A cópia do documento foi levada à CPI. Segundo Olga, o Samu opera atualmente com 72% dos veículos da frota e que faltam profissionais especializados.

 


Pagamento de extra a ministros do STF começa após Senado aprovar reajuste


CPI vai investigar irregularidades na concessão do DPVAT


Relator manterá recomendação para que Cunha seja cassado


Fonte:

Deixe um comentário