Viva sem expectativas

Um problema muito sério nos dias de hoje é o suicídio. E uma de suas razões reside na frustração. Frustração acumulada provoca desânimo e desespero em pessoas sem fé e sem compreensão do sentido da vida, agravados, nesta geração, pela criação superprotegida que recebem.

Gente que se abala por qualquer problema; que permanece na casa dos pais por comodismo e com medo de assumir responsabilidades. Ainda assim, quando sai para casar retorna ao menor desentendimento.

Educação verdadeira dá-se pela combinação de energia e afeto, liberdade e limites, diálogos e bons exemplos, objetivando que o educando desenvolva-se em amor e sabedoria. Sabedoria que vem pelo conhecimento aplicado e pela experiência, desde que, cada pessoa, seja encorajada a buscar objetivos, caminhando com suas próprias pernas e pensando com a própria cabeça.

A busca de objetivos deve se dar como se tudo dependesse somente de cada um e ao mesmo tempo como se tudo dependesse de Deus. Assim é que se deve viver sem expectativas, sem frustrações, confiando que há programação existencial para todos. Ninguém está aqui por acaso. Todos estamos aqui por uma causa.

A questão da frustração surge porque tudo o que buscamos achamos que é melhor para nós. Como podemos ter certeza? Não temos. Quando confiamos que há uma programação, não nos frustramos mais quando não conseguimos algo que buscávamos, apenas avaliamos, tiramos os ensinamentos, melhoramos, e seguimos em frente.

Viva com objetivos, mas sem expectativas. O fim do namoro, do casamento, do emprego, o fracasso no concurso podem ser o melhor que poderia lhe acontecer. Apenas aprimore-se sempre, confie e siga com os mestres do oriente: “Caminhe! até que não aja mais nem caminho e nem o caminhante e só exista o caminhar”.

One Response

  1. A vida é exageradamente valorizada. Muitos a colocam acima de tudo quando não está acima de nada. O petróleo em seu estado primário é inútil até ser processado e transformado em plástico e gasolina. O mesmo raciocínio se aplica a vida: respirar não serve para nada. O motivo pelo qual fazemos isso valoriza e dá utilidade à vida. O motivo pelo qual vivemos está acima da própria vida. A vida sem um propósito válido é como um objeto desmantelado a ser descartado e substituido a arbítrio e critério de quem vive de tal forma.

Deixe uma resposta para Tiago Soares Duarte Cancelar resposta