Uma questão de afinidade

”Sou a filha de meu pai. O que não significa que eu seja uma filhinha-do-papai”. Quem fez esse pronunciamento corajoso? É óbvio que foi Jane Fonda, a Jane mais Jane do mundo, depois que a Jane do Tarzan morreu de gripe. E disse mais: “Nunca fui de brincar com bonecas. Dentro de mim havia uma espécie de… como dizer? De mola quebrada…” Eis aí a comprovação de minha coincidente afinidade com Jane Fonda, minha eterna musa.

Prova número um: Eu também sou filho de meu pai, o que não significa que seja um filhinho-do-papai, até muito ao contrário. Prova número dois: Eu também nunca fui de brincar com bonecas, até porque não era o meu fraco. E mesmo se quisesse me distrair com outros brinquedos, também não dava pé, isto porque meu pai não dava bola pra dinheiro, de quem herdei esse desinteresse pelo chamado vil metal, o que algumas vezes me complicou bastante neste mundinho dominado pelo capitalismo selvagem. E dentro de mim também há uma espécie de… como dizer? De mola quebrada -, mola quebrada, vírgula, há um milhão de molas quebradas!

Viu, Jane, quantas afinidades? Você, embora nascida em berço de ouro, teve uma infância muito solitária, apesar de ter morado num palacete em Nova Iorque, no qual havia uma enorme piscina. Minha infância também foi na base do eu-sozinho, com a nítida diferença de que nasci pobre de grana e de nome, e dentro de minha casa tinha uma enorme piscina de desamor e solidão – e quase morri afogado dentro dela.

Está vendo quantas coincidências, querida Jane? Você cresceu frustrada e frequentou os divãs dos melhores e mais caros psicanalistas norteamericanos. Ainda nesse item, continuamos absolutamente empates. Também cresci frustrado e participei de sessões com um conhecido psicanalista carioca, que cobrava consultas além de minhas posses. E, em ambos os casos, ganhamos notoriedades, porém divergentes: você conquistou dois Oscars, como uma das mais talentosas estrelas de Hollywood. E eu também fiquei famoso, por ter sido o único neurótico do mundo que conseguiu dar o calote no psicanalista!

PS – As frases entre aspas são trechos de uma autobiografia de Jane Fonda, na qual ela narra a indiferença de seu famoso pai, Henry Fonda, na infância. Atualmente, aos 77 anos, Jane continua tão linda quanto antes, quando a vi, pela primeira vez, num bar de Greenwich Village, em Nova Iorque, 50 anos atrás.

Deixe um comentário