Um domingo de cidadania em Brasília

Foi bonito de ver. Brasilienses de todas as idades e classes sociais atenderam ao chamado do Movimento Tempo de Plantar e foram às ruas e parques do Distrito Federal, de cidades do Entorno e até de outros estados para plantar mudas de árvores frutíferas, decorativas e, principalmente, de espécies nativas do Cerrado.

A meta era o plantio de 1 milhão de mudas. Mas até o início da tarde de segunda-feira (9) os organizadores não haviam concluído o balanço. “Não sabemos se a meta de mudas plantadas em um dia foi atingido. Mas temos certeza de que o número de voluntários cresceu demais com a ação. E isso já é uma grande vitória”, comemora João Bruno Vidal, idealizador do Projeto Reflorir e coordenador do Comitê de Plantio do Plano Piloto.

No Parque Ecológico de Águas Claras, dezenas de moradores se juntaram ao grupo Voluntários do Parque. O trabalho começou às 8h e foi interrompido às 14h30, devido à chuva. Foram plantadas cerca de 2 mil mudas em três pontos, com a participação de cerca de 500 pessoas. “Foi muito gratificante. Apareceu gente de todo lado, inclusive estrangeiros, como chineses, guatemaltecos, argentinos e ingleses”, comemorou Rosa Coalho, uma das organizadoras do grupo.

Comitê de Plantio de Árvores de Águas Claras. Foto: Divulgação

GDF – A iniciativa contou com o apoio do Instituto Brasília Ambiental (Ibram), do Governo do Distrito Federal, em 12 parques públicos, onde atividade contou com participação de grupos de escoteiros, moradores e ambientalistas. “A finalidade do Projeto é conscientizar as pessoas da importância da preservação do nosso Cerrado”, explicou a superintendente de Unidades de Conservação, Biodiversidade e Água (SUCON) do Ibram, Rejane Pieratti.

Para um dos coordenadores do Movimento Tempo de Plantar, Alan Clei Barros, o atual momento em que passa planeta Terra requer mais cuidado com a natureza e sensibilização por parte dos governantes e da população. “Quando vemos os brasilienses abraçar o meio ambiente, temos certeza de que estamos fazendo a diferença por um mundo melhor”, enfatizou.

A mobilização contou, inclusive, com a participação de opositores ao governo. A deputada federal Érika Kokay plantou mudas de buriti no acampamento José Wilker, do MST, em Sobradinho. O distrital Chico Vigilante plantou uma muda de mangueira num canteiro público do Gama. O professor da Faculdade de Direito da UnB, Marcelo Neves, plantou um ipê amarelo no Eixão Norte.

Várias unidades de conservação receberam o mutirão. Foto: Divulgação

As unidades de conservação que receberam o mutirão foram: Parque Urbano e Vivencial do Gama; Parque Ecológico e Vivencial Bosque dos Eucaliptos e Parque Ecológico Ezechias Heringer, no Guará; Parque Urbano Bosque do Sudoeste; Parque da Asa Sul; Parque Olhos d’Água, na Asa Norte; Parque das Garças e Parque Vivencial I, no Lago Norte; Parque Ecológico Águas Claras; Parque Recreativo do Setor O, em Ceilândia; Parque Ecológico Veredinha, em Brazlândia; Parque Ecológico Saburo Onoyama, em Taguatinga; e Parque Três Meninas, em Samambaia.

Deixe um comentário