Te cuida, Brasília!

Há seis décadas, brasileiros de todos os rincões iniciaram uma grande marcha em direção do Planalto Central. O projeto Brasília era a utopia de um novo Brasil, de uma sociedade na qual prevalecessem os sentimentos de igualdade e de harmonia. Brasília representava muito mais do que a expressão de uma pós-modernidade urbanística e arquitetônica.

Alguns críticos dizem que era um projeto socialista. E se fosse? Brasília trouxe em si uma atitude de autoafirmação dos brasileiros, um projeto de nação, o abandono do complexo de vira-lata, tão bem colocado por Nelson Rodrigues.

Compreender Brasília vai muito além do que entender seus endereços de siglas e sem nomes de ruas. Envolve mergulhar nas esperanças de cada candango. Alguns interesseiros encheram a burra de dinheiro e foram para outras paragens, mas a imensa maioria aqui fincou raízes e constituiu uma sociedade peculiar.

Educação – A vitória desse projeto pode ser mensurada no nível educacional dos brasilienses. O DF é a unidade da Federação com maior escolaridade do País. Dois em cada dez brasilienses têm Ensino Superior completo. A taxa média de anos de estudos equivale ao Ensino Médio completo e o percentual de analfabetismo tem padrões de Santa Catarina. Tudo isso se reflete em emprego, renda, em qualidade de vida.

A cidade não trouxe benefícios apenas para os que aqui vieram morar. Irradiou desenvolvimento, emprego, economia, saúde e educação a milhões de brasileiros desses sertões. O IBGE atesta que, hoje, consumidores de 99 cidades de Goiás, Minas Gerais, Piauí e Bahia buscam no DF os artigos de consumo de que necessitam, além de tratamentos de saúde. Sem contar os milhares que vêm estudar na capital federal, especialmente, na incompreendida UnB.

Para continuar a leitura, clique aqui.

Deixe um comentário