TCU suspende publicidade da Caixa em sites de fake news

O ministro Bruno Dantas, do Tribunal de Contas da União (TCU), determinou nesta terça-feira (16) que a Secex Finanças diligencie a Caixa Econômica Federal (CEF) para analisar controles internos de veiculação. A intenção é “distinguir, monitorar, sustar e evitar a monetização de sites, blogs, redes sociais que disseminem fake news”.

Até o momento, foram identificados gastos da Caixa com publicidade de R$ 216 milhões em 2019, dos quais R$ 37 milhões com propaganda e anúncios na internet. Isto, segundo o despacho de Dantas, demonstra o poder de influência da estatal junto ao mercado de mídias digitais.
“É sabido que, de uma forma geral, a publicidade digital é feita por meio da intermediação de agência de publicidade, a qual contrata plataforma ou ferramenta digital, como, por exemplo, o Google Ads, para dar maior alcance de seus anúncios”, diz o ministro.

Segundo o ministro Bruno Dantas, do TCU, a intenção de medida é evitar a monetização veículos que disseminem fake news
Segundo o ministro Bruno Dantas, do TCU, a intenção de medida é evitar a monetização veículos que disseminem fake news. Foto: Reprodução

Segundo ele, “também é de conhecimento notório que o cliente pode e deve definir os perfis de clientela e de público-alvo a serem atingidos. Assim, é possível e desejável que, por meio de uma firme e clara política de veiculação, a publicidade seja feita tão somente em canais confiáveis e comprometidos com a verdade e princípios éticos”.

Para o ministro, a Caixa não se encontra, em princípio, imune a eventuais interferências indevidas de autoridades do Poder Executivo em sua política de comunicação. “Nesse sentido, determino que a SecexFinanças diligencie a CEF com vistas a verificar sua política de veiculação em mídia digital”.

Deixe um comentário