Taxas-extra ou taxas-extras?

Querido (a) leitor (a): quem nunca, ao longo de uma conversa, travou em razão da formação de plural de um substantivo composto? Para dificultar mais ainda, às vezes, a possibilidade de plural parece, aos ouvidos, esdrúxula. Faça um exercício em sua mente: pense no plural de ar-condicionado. Eu tenho certeza de que o resultado produzido em sua cabeça é bastante estranho – e é por isso que temos tantas dúvidas! Vamos acabar com elas?

Se o substantivo composto for formado por duas palavras variáveis (substantivos, adjetivos, numerais), ambas vão ao plural.

Ex.: couve-flor/couves-flores; sexta-feira/sextas-feiras; amor-perfeito/amores-perfeitos; ar-condicionado/ares-condicionados.

Antes de continuar, preciso fazer uma consideração em relação às palavras acima. Note que:

– A primeira palavra possui um significado;

– A segunda palavra possui outro significado;

– As duas juntas formam um terceiro significado, bem diferente dos dois primeiros.

Serei ainda mais claro e popular: couve é uma coisa; flor é outra coisa. Couve-flor é algo totalmente diferente de couve e de flor.

Isso não acontece, por exemplo, com palavras como taxa-extra, banana-maçã e erva-mate. Em outras palavras, uma taxa-extra não deixa de ser uma taxa; uma banana-maçã não deixa de ser uma banana; uma erva-mate não deixa de ser uma erva. Isso significa que a segunda palavra apenas delimita o significado da primeira. Nesses casos, há duas possibilidades de plural: os dois podem ir ao plural ou apenas o primeiro!

         Ex.: taxa-extra/taxas-extras/taxas-extra; banana-maçã/bananas-maçãs/bananas-maçã; erva-mate/ervas-mates/ervas-mate.

         Viu como não é difícil? A análise é simples, basta ter um pouco de atenção. Todavia, ainda não acabamos! Na semana que vem, falaremos um pouco mais acerca desse assunto! Não perca!  

Deixe um comentário