Serviço público protege o Distrito Federal de efeitos mais drásticos da crise econômica

Esplanada do Ministério é um dos símbolos do serviço público no Brasil.  Foto: Arquivo/Agência Brasil

 

 

 

A estrutura da economia do Distrito Federal permitiu que Brasília sentisse de forma menos intensa a crise em 2015. É o que mostra o relatório sobre o Produto Interno Bruto (PIB) daquele ano, divulgado nesta quinta-feira (16) em entrevista coletiva na Companhia de Planejamento do DF (Codeplan).

Em 2015, o DF alcançou um PIB de R$ 215,613 bilhões — a quinta melhor economia do País. No ano anterior, a soma havia sido de R$ 197,432 bilhões. Enquanto o DF enfrentava um encolhimento de 1% no volume de produção (bens e serviços), o Brasil registrava perdas de 5,8% para a indústria e 2,7% para serviços, por exemplo.

 O fato de Brasília ter o funcionalismo público como um dos principais empregadores amorteceu os impactos mais negativos da crise econômica. Aqui, a administração pública — local e federal — contribuiu com 44,7% na formação do PIB.

Além disso, setores como indústria e agropecuária têm um peso menor na estrutura produtiva local em comparação a outras unidades federativas. A indústria local representa 5,4% do que é produzido no território e, a agropecuária, 0,3%. Quando observados os dados para o País, a indústria representou 22,5% naquele ano e, a produção agropecuária, 23%.

Situação não é favorável

Ainda que pudesse ser pior, a situação crítica em que se encontrava a economia brasiliense em 2015 foi comprovada pela divulgação dos resultados do relatório sobre o Produto Interno Bruto local.

Se, por um lado, a estrutura econômica ajudou o DF a não atingir patamares de recessão como Minas Gerais, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul, por outro, os volumes de contribuição ao PIB, por setor de atividade, foram bastante reduzidos.

Com isso, o governo de Brasília esteve enquadrado nos limites da Lei de Responsabilidade Fiscal e ficou impedido de contratar e de conceder reajustes. Em outubro deste ano, foi possível sair desse nível de restrição. No entanto, para não ultrapassar novamente o limite de 46,55% da receita líquida com pagamento de salários, o Executivo decidiu manter a política de ajuste fiscal.

A composição do PIB distrital em valores absolutos em 2015 ficou assim dividida:

  • Serviços: R$ 175,671 bilhões
  • Impostos: R$ 29,319 bilhões
  • Indústria: R$ 9,997 bilhões
  • Agropecuária: R$ 627 milhões

Maior renda per capita no País

O relatório apresentado pela Codeplan mostra que, quando avaliado o PIB per capita do DF, ele alcança R$ 73.971,05. Esse valor é mais de duas vezes maior que o PIB per capita nacional, de R$ 29.326,33. Os cálculos consideraram uma população local de 2,915 milhões de habitantes.

A demora para tornar os números públicos se deveu ao embargo de 18 meses estabelecido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pelas regras do órgão, as informações sobre o exercício das empresas pesquisadas só ficam totalmente disponíveis após esse prazo.

 

Deixe um comentário