Requião acusa governo Temer de destruir o Estado Social

O senador Roberto Requião (MDB-PR) criticou a precarização do Estado Social, que para ele está em curso desde o início do governo de Michel Temer. Em discurso no Plenário do Senado nesta sexta-feira (1º), ele afirmou que o Brasil está sendo submetido “à cartilha geopolítica dos interesses dos Estados Unidos” e sendo governado exclusivamente pelos interesses do capital financeiro.

Segundo ele, o Estado Social é aquele que respeita as minorias, a natureza, o trabalho e as garantias do trabalho e, em razão disso, vem sendo duramente combatido pelos detentores do capital, não só no Brasil, mas em outros países.

O enfrentamento se dá, na visão do parlamentar, em três frentes: na precarização do Executivo, com a valorização do Banco Central, que passa a ser o verdadeiro dirigente; na precarização do Parlamento, através do financiamento privado das campanhas; e na precarização do trabalho.

— É o que nós vemos hoje, com a destruição da CLT e a tentativa insistente de acabar com a Previdência pública, que seria entregue na mão dos grandes bancos, das financeiras, do capital vadio, esse capital que não produz nada, que se acumula fundamentalmente na rolagem da dívida dos Estados. Não produz um emprego, a peça duma máquina, o botão duma camisa. Que vive da sua própria razão e dinâmica, com juros, sem produzir rigorosamente nada — afirmou.

O senador afirmou que, como os empresários não conseguem mais ter lucro como tinham antigamente com o seu empreendimento, atribuem isso ao progresso do trabalhador, ao salário mínimo e às garantias sociais construídas no Brasil nas últimas décadas.

— Não há conscientização de que quem está predando a produção no Brasil é o mercado financeiro, a financeirização total da economia. Induzidos pela Globo, pelo SBT, pela Bandeirantes, por esse idiotas todos, eles acreditam que vão passar a ganhar mais predando o trabalho. Mas eles não percebem que, quando eles avançam em cima do trabalho, eles acabam com o mercado de consumo — disse.

Investimento público

Requião deu exemplos bem sucedidos de países que venceram crises, acabaram com o desemprego e encontraram o rumo dos desenvolvimentos, como Alemanha, Estados Unidos e Japão. Em comum, destacou, houve a aposta na retomada dos investimentos públicos, restabelecendo um ciclo virtuoso de desenvolvimento.

Para Requião, se o Congresso tivesse o mínimo de “vergonha na cara”, estabeleceria a antecipação das eleições para “pôr fim a esse período dramático”. Para ele, algumas autoridades e políticos são corrompidos ideologicamente pelo liberalismo; outros praticam a corrupção material pura e simples.

Greve dos caminhoneiros

Em relação à resposta do governo para acabar com a greve dos caminhoneiros, o senador classificou de estupidez o corte da Cide sobre o óleo diesel — determinado pelo PLC 52/2018, aprovado pelo Congresso após negociações com o Executivo —, lembrando que o dinheiro da contribuição é usado para a infraestrutura rodoviária. Segundo ele, o presidente da República, Michel Temer, ainda confirmou a “política suicida da Petrobras”, colocando dinheiro público na companhia para compensar acionistas privados, notadamente os americanos.

Deixe um comentário