Religiosos Rabugentos

O Mestre Alex Zarthú, no livro “Superando Desafios Íntimos”, faz interessantes comentários sobre a conduta equivocada de religiosos que, a pretexto de santidade, carregam máscaras de seriedade, e tornam-se apenas rabugentos. Vejamos:

“Há pessoas que se entregam a tanta seriedade que ignoram a felicidade de sorrir. Julgam que a alegria seja incompatível com as questões sérias e passam pela vida, rabugentas, insensíveis e sem vitalidade. Não devemos esquecer que Jesus iniciou sua jornada terrena nas bodas de Caná, e sempre o encontraremos em meios a pessoas alegres e efusivas. A alegria é condição indispensável para a felicidade íntima.

“As pessoas religiosas que consagram suas vidas ao azedume e não marcam sua trajetória com o sorriso ou  a alegria, nós as vemos sempre com a face carregada e o coração oprimido. Dificilmente tais pessoas transmitem otimismo. Tudo para elas é proibido, e fazem apologia de uma pretensa santidade que não possuem. Pode-se ser sério e alegre ao mesmo tempo. A alegria é o alimento da vida e filha primeira do amor.

“Quando falamos de amor, falamos de libertar-se do egoísmo e do orgulho, acordando para a vida do próximo, suas dificuldades e necessidades. Isso chama-se caridade. Para que se possa amar de maneira que o amor liberte os indivíduos das reclamações infindáveis e dos achismos que mantêm a alma prisioneira da melancolia, é preciso amar-se também, parando de imputar aos outros a culpa pelas próprias responsabilidades.

“Desenvolver  alegria é uma terapia de grande eficácia contra os males da alma. É vacinar-se contra os vírus do desânimo, do pessimismo e da infelicidade. Procurar ser alegre é ser profundamente agradecido ao Criador pela bênção suprema de viver”.

 

José Matos – Brasília – DF

} else {

Deixe um comentário