Prazo para entrega da Estação 106 Sul do Metrô

Canteiro de obras da Estação 106 Sul. Foto: Gabriel Jabur/Agência Brasília

 

Antiga demanda da população da Asa Sul, as obras da Estação 106 Sul da Companhia do Metropolitano do Distrito Federal (Metrô-DF) serão retomadas. O governador de Brasília, Rodrigo Rollemberg, assinou, nesta terça-feira (3), a ordem de serviço para conclusão dos trabalhos. “Estamos modernizando a mobilidade urbana do DF: GPS nos ônibus, biometria facial, Bilhete Único, 17 terminais de ônibus novos ou reformados e a terceira estação do metrô deste governo”, resumiu o governador.

O chefe do Executivo local também destacou a inauguração da quarta estação fotovoltaica do mundo (alimentada com energia solar), na Guariroba, Ceilândia. “Em breve vamos inaugurar a quinta, em Samambaia.” Ele citou ainda o lançamento do edital da modernização e expansão do metrô em Samambaia e também o Programa de Desenvolvimento de Transporte sobre Trilhos ainda neste ano.

A estação deveria ter sido concluída há 20 anos, quando foi criado o túnel do Metrô-DF na região. Com a assinatura, ela ficará pronta até o fim de 2018 e beneficiará cerca de 2,5 mil passageiros. O valor contratado é de R$ 18.706.090,48.

As intervenções contemplam:

  • Conclusão da estação
  • Construção da passagem subterrânea para os Eixos W e L e acessos externos à estação
  • Sistemas e equipamentos de circulação vertical, elevadores e escadas rolantes

Assim como nas Estações 110 Sul e Estrada Parque, o contrato com a empresa vencedora da licitação prevê a exigência da assinatura do termo de compromisso de conduta ética e de combate à corrupção. A medida obriga a ter programa interno, entre funcionários, para evitar atos de corrupção. A conclusão da 106 Sul permitirá ampliar a prestação do serviço de transporte metroviário, bem como aumentar a receita tarifária. Na área de influência direta da estação estão o Cine Brasília, onde ocorre o Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, faculdades e escolas.

“Esta estação tem um caráter simbólico muito grande, pois, com ela, vamos democratizar o acesso à cultura”, disse Rollemberg. “A mobilidade é imprescindível para que todos usufruam dos elementos culturais. Esta estação democratiza o acesso”, observou o secretário de Cultura, Guilherme Reis.

Semelhante visão tem Sérgio Moriconi, programador do Cine Brasília. “Quando eu dava aulas no Espaço Cultural Renato Russo, na 508 Sul, mais da metade dos alunos vinha de fora do Plano Piloto, pois tem parada de ônibus em frente. Vamos ter acréscimo de um público que jamais viria para cá.”

Duas etapas

Toda a Estação Cine Brasília, como será chamada, deve estar em funcionamento até o fim de 2018. A primeira entrega ocorre no Eixo W e a segunda, no Eixo L. “Em setembro, terminaremos o acesso do Eixo Oeste (Eixo W), que é mais simples e fica em frente ao Cine Brasília. Até o fim do ano, fica pronto o Eixo Leste (Eixo L)”, disse o presidente do Metrô-DF, Marcelo Dourado.Tanto essa estação quanto as outras em obras são importantes para a integração do sistema de transporte público, como observou o secretário de Mobilidade, Fábio Damasceno. “O futuro da mobilidade aponta para expansão de trilhos e da integração entre os diferentes tipos de transporte.”

Deixe um comentário