Posse em Libras

Garantidamente, um dos momentos mais marcantes da cerimônia de posse do presidente Jair Bolsonaro foi o discurso da primeira-dama, Michelle, feito em Língua Brasileira de Sinais (Libras). A comoção de muitos foi notória diante da grata surpresa (melhor do que chamar de “quebra de protocolo”), uma vez que o inédito discurso deu voz a uma significativa parcela da sociedade que luta por igualdade: os surdos.

Em seguida, a ministra da mulher, família e direitos humanos, Damares Alves, anunciou que os servidores do ministério terão de, em 6 meses, aprender Libras. Fica, portanto, evidente que essa deve uma das pautas do novo governo. Por esse motivo, que tal entender o que é Libras?

Diferentemente do que muitos pensam, Libras não é “português traduzido para as mãos” (e é imaturidade compreendê-la assim). Como o próprio nome diz, é uma língua legalmente reconhecida – assim como o português, o inglês e tantas outras – com aspectos morfológicos, sintáticos e semânticos  próprios.

Por isso, não é uma mera transposição. Essa língua é tão complexa que apresenta níveis de formalidade e informalidade, regionalismo e até gírias! A Língua de Sinais usada em Brasília não é necessariamente idêntica à que se fala no Piauí, por exemplo. Sim, é possível afirmar que, em Libras, há sotaque!

Tive a grande oportunidade de dividir sala, durante o meu mestrado, com muitos pós-graduandos de Letras-Libras de diversos lugares do Brasil – situação que normalmente só é vivenciada na universidade pública. Alguns deles possuíam surdez total; outros, parcial. Alguns faziam leitura labial ou falavam.

A comunidade surda é bastante heterogênea em relação à comunicação, e, por isso, o assunto é tão vasto. Apesar de não saber Libras, pude, por meio da minha linha de pesquisa – o Gerativismo – fazer alguns estudos acerca da Língua de sinais.

Com todo esse panorama, veio-me um questionamento: será que a Língua Brasileira de Sinais pode se tornar assunto em provas de concursos públicos? Quero saber a sua opinião! Deixe-a nos comentários!

Esperamos que a valorização dos surdos vá além do discurso de posse!  A igualdade (um dos princípios iluministas) deve ser a base de nossa sociedade!


Deixe um comentário