Polícia do DF faz buscas e conduções coercitivas em 3ª fase da Drácon

 
Policial civil em frente a delegacia onde deputados distritais foram depor (Foto: Alexandre Bastos/G1)
Policial civil em frente a delegacia onde deputados distritais foram depor (Foto: Alexandre Bastos/G1)

A Polícia Civil e o Ministério Público do Distrito Federal cumprem nesta segunda-feira (17) mandados de busca e apreensão nas casas dos ex-servidores da Câmara Legislativa Alexandre Braga Cerqueira e Sandro Vieira, ligados aos deputados distritais Bispo Renato (PR) e Celina Leão (PPS), respectivamente.

Os dois também foram alvos de condução coercitiva. Segundo o MP, eles foram flagrados pelas câmeras de segurança da Câmara carregando documentos antes da primeira fase da Operação Drácon, que apura desvios de verbas para pagamento de propina. As diligências foram autorizadas pelo relator do caso, o desembargador José Divino.

Na Câmara, Alexandre Braga Cerqueira foi responsável pelos contratos e pagamentos da Câmara. Em depoimento ao MP, o presidente da Associação Brasiliense de Construtores, o empresário Afonso Assad, aponta o servidor como emissário de deputados, tendo cobrado “ajuda” dele, ou seja, participação no suposto esquema que exigia pagamento de propina em troca de assinatura de contrato público.

Sandro Vieira é suspeito de ocultar informações do gabinete de Celina no dia 22 de agosto, véspera da primeira fase da operação. O assessor parlamentar foi exonerado do cargo de secretário legislativo em 30 de agosto. Ligado à presidente afastada da Casa, Celina Leão, ele passou a exercer o “cargo especial de gabinete”. Com isso, o salário dele caiu de R$ 11,9 mil para R$ 6,6 mil.

} else {

Fonte:

Deixe um comentário