Plano de saúde paga internação de viciado em crack

A Amil Assistência Médica Internacional Ltda. terá que pagar a internação e o tratamento médico de um cliente que é viciado em crack, mesmo após o prazo estipulado no contrato. A decisão foi tomada pela 5ª Turma Cível do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT).


O contrato estabelecia que a empresa custearia a internação por um prazo máximo de 30 dias. Após isso, o paciente iria arcar com parte da despesa do tratamento. No entanto, um usuário de crack precisou extrapolar esse prazo e conseguiu na justiça o direito de ter o tratamento pago na íntegra pela Amil.


Para o desembargador relator, uma pessoa dependente de drogas tem necessidade de ficar internada até a melhora do estado de saúde, não importando o tempo que leve.


Fonte: Correio Braziliense

Extratos dos Jornais

Deixe um comentário