PDT e PSB ameaçam punir quem apoiou reforma da Previdência

Ameaçada de expulsão do PDT, Tábata tem convites para ingressar em vários outros partidos

Logo que acabou a votação da PEC da reforma da Previdência, na noite de quarta-feira (10), o PDT e o PSB ameaçaram punir até com expulsão os deputados que contrariaram a posição dos dois partidos e votaram a favor da reforma da Previdência. No PSB, a comissão de ética marcou uma reunião para avaliar a punição a ser aplicada aos 11 parlamentares.

Mas no final da tarde desta quinta-feira (11), o presidente do PDT, Carlos Lupi, admitiu a aliados, em conversas informais, um recuo às declarações feitas após a votação da véspera. Os dirigentes pedetistas avaliam, contudo, que é necessário a abertura de um processo disciplinar “para dar exemplo”. A expulsão, no entanto, não seria de interesse da legenda.

Os dirigentes avaliam que a expulsão não garantiria o mandato ao partido, impactando na representação da legenda na Câmara e sua participação no fundo partidário. A avaliação é que há entendimento no Tribunal Superior Eleitoral garantindo ao parlamentar o mandato em caso de expulsão da agremiação.

Onze dos 32 deputados socialistas votaram a favor da PEC: Átila Lira (PI), Emidinho Madeira (MG), Felipe Carreras (PE), Felipe Rigoni (ES), Jeferson Campos (SP), Liziane Bayer (RS), Luiz Flávio Gomes (SP), Rodrigo Agostinho (SP), Rodrigo Coelho (SC), Rosana Valle (SP), Ted Conti (ES). O número supera o do PDT, que, antes da votação, avisou que iria punir os dissidentes. Mesmo assim, oito dos seus 27 deputados apoiaram a reforma.

Tábata – Na legenda do presidente Carlos Lupi o principal alvo dos militantes é a deputada Tabata Amaral (SP), que justificou seu voto nas redes sociais dizendo que continua lutando pela manutenção da aposentadoria especial dos professores. Também deve haver punições para Alex Santana (BA), Flávio Nogueira (PI), Gil Cutrim (MA), Jesus Sérgio (AC), Marlon Santos (RS), Silvia Cristina (RO), Subtenente Gonzaga (MG).

Em vídeo nas redes sociais, Lupi havia reforçado que “o PDT não nasceu para defender esse lado. Gostaria que cada parlamentar nosso tivesse consciência do que representa a história do nosso partido e respeitasse nossa decisão. Se não, escolham um lado. Se querem ficar do lado dos banqueiros, que assumam”, atacou.

Cortejo – Diante da possível expulsão dos parlamentares, vários partidos passaram a cortejar deputados. “Tabata Amaral, o PSL está de braços abertos para você. Partido não vai faltar”, escreveu Alexandre Frota (SP) no Twitter.

Outros líderes, como Daniel Coelho (PE), do Cidadania também elogiaram os dissidentes. “Sempre fui adversário do deputado Felipe Carreras, mas tenho que reconhecer sua coragem em enfrentar o populismo irresponsável do PSB. Nessas horas dividimos os que só pensam em eleição daqueles que têm compromisso público”. Ele ainda parabenizou Tabata e Felipe Rigoni por enfrentar “seus partidos, o populismo e o discurso fácil votando a favor da Previdência. Mostraram que têm a coragem da juventude brasileira”. Muitos internautas sugeriram a ida de Tabata para o Novo.

Deixe um comentário