Parlamentares querem federalizar rodovia em Rondônia

A Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA) realizou audiência pública, na sexta-feira (21), no município de Espigão do Oeste, em Rondônia, para discutir a federalização da rodovia estadual RO-387, que liga o município a trecho da BR-364, localizado em Pimenta Bueno.

De acordo com o vice-presidente da CRA, senador Acir Gurgacz (PDT-RO), que presidiu a reunião, a medida favorecerá a integração dos estados da região amazônica, sobretudo Rondônia e Mato Grosso, além de movimentar a economia e o turismo locais e melhorar as condições de frete.

Acir Gurgacz argumenta que essa estrada tem todas as condições de se tornar uma rodovia federal, pois não liga apenas dois municípios e dois estados, mas estabelece uma nova conexão da região produtora de soja do Mato Grosso com a BR-364 para o escoamento da produção até Porto Velho, ou mesmo com a BR-104 cuja pavimentação do trecho de Aripuanã (MT) a Maniporé (AM) estaria nos planos do governo federal.

Durante a reunião, o diretor-geral do Departamento de Estradas e Rodagem de Rondônia (DER-RO), Lúcio Antônio Mosquini, informou que o governo estadual deverá executar, até o final do ano, o rebaixamento de duas serras localizadas na RO-387, preparando a rodovia para a federalização.

Carlos Eduardo de Almeida Mattos, analista de infraestrutura do Departamento de Infraestrutura de Transportes (Dnit), explicou que a federalização da RO-387 passa inicialmente pela apresentação de um projeto de lei, pela bancada federal de Rondônia, propondo a criação de uma rodovia federal cujo traçado seja coincidente com o da RO-387. De acordo com o técnico, somente após a aprovação de tal projeto, o Dnit poderá passar a administrar a estrada, tomando as providências necessárias à pavimentação asfáltica.

Presentes à audiência pública, os deputados federais Eliene Lima (PSD-MT) e Marinha Raupp (PMDB-RO) e o deputado estadual de Rondônia Cacá Mendonça (PTB) se comprometeram a lutar pela federalização da rodovia no menor tempo possível.

Fonte:

Deixe um comentário