Park Way com medo de avião

A partir de março de 2019, o Aeroporto Internacional de Brasília poderá operar um pouso ou decolagem a cada 53 segundos. Serão 68 operações por hora.

Esse intensivo vai-e-vem de aeronaves preocupa moradores do Park Way. Dependendo da direção do vento, os aviões decolam rumo às quadras do bairro ou aterrissam tendo como rota de chegada um trajeto sobre as residências.

Devido à proximidade às duas pistas, eles passam numa altitude baixa, trazendo muito ruído e vibrações. O desconforto atinge também a comunidade do Núcleo Bandeirante.

É mais que desconforto. É medo. Principalmente, com que algo de pior possa acontecer, como já verificado nas imediações dos aeroportos de Congonhas e Campo de Marte, em São Paulo.

 

Sem tempo para sossego

Mesmo antes da ampliação, a quantidade de operações é grande. O aeroporto JK é o terceiro terminal mais movimentado do Brasil. E não há hora de sossego. Os aviões circulam com suas turbinas a todo vapor, inclusive de madrugada.

Há reclamações específicas em relação a um cargueiro que costuma acordar os moradores por volta das quatro da manhã. “Parece que ele vai entrar pela janela do meu quarto”, reclama uma moradora.

 

Petição ao Cindacta

Uma petição, acompanhada de abaixo-assinado, foi encaminhada ao Cindacta, órgão que define as rotas de chegada e saída das aeronaves, com cópia à Anac. Nela, os moradores afirmam ter o “direito de viver em nossas casas com segurança e tranquilidade… o incômodo não se restringe somente ao ruído dos aviões, há uma preocupação constante com a nossa segurança. Torcemos para que nada de pior aconteça, mas, como os aviões passam por cima de muitas casas, a qualquer momento um acidente pode acontecer e nos atingir”.

Até o momento, nenhuma autoridade se pronunciou.

Fonte:

2 Responses

  1. Com todo o respeito, os tais moradores quando foram morar no setor sabiam da existência do aeroporto. Eu não sei, se eu fosse o Presidente da República para sanar de vez esses atritos, mandaria desapropriar a região toda. Mas essa, antes de existir o Park Way já existia o aeroporto. Interessante é saber que TODOS tinham conhecimento do aeroporto. O mesmo não é um organismo estranho na localidade. Quem é é justamente o Park Way, que sonham dizer que fora criado para proteger a cidade, mas na verdade é pura especulação imobiliária. O futuro governador já avisou, com o presidente eleito, vai acabar com a farra de ONGs pseudo protetores do meio-ambiente e tombamento, que em nada protegeu Brasília. Muito pelo contrário, só queriam defender a qualidade de vida do BAIRRO e da BURGUESIA e não de todo o DF.

  2. Quem chegou antes: o aeroporto ou os moradores do Parkway? Além disso, comparar Congonhas e Campo de Marte, dois aeroportos com pista curta, com o aeroporto de Brasília, que possui 2 pistas longas, é ignorância ou má-fé.

Deixe um comentário