Oposição pede impugnação da chapa do Sindilegis

A reeleição da atual diretoria do Sindicato dos Servidores do Legislativo Federal (Sindilegis) vai passar pela Justiça. Conforme o Brasília Capital noticiou no dia 23 de outubro, a chapa 2, Renovar é Preciso, solicitou a impugnação dos adversários da chapa 1, Juntos Somos Melhores. A Comissão Eleitoral negou o pedido e os candidatos com dois mandatos ou mais pretendiam alcançar mais quatro anos no poder.

Mas a juíza Gabriela Jardon Guimarães de Faria, da 6ª Vara Cível de Brasília, determinou que é preciso haver manifestação da Comissão Eleitoral antes que seja decidida sobre o pedido da tutela de urgência, requisitado pelos autores da ação. Ou seja, os integrantes da comissão devem se justificar sobre a negativa em conceder impugnação da chapa de situação. A eleição está marcada para o dia 30 de novembro, em votação exclusivamente presencial.

A Justiça pediu que a Comissão Eleitoral se manifeste em cinco dias sobre o pedido de impugnação feito pelo grupo adversário, sob a alegação de que integrantes da direção, que tentam continuar no controle da entidade, acumulam vários mandatos seguidos, contrariando o estatuto aprovado em 2018.

A interpretação da chapa de situação é de que o estatuto mais recente iniciaria uma nova contagem de mandatos. Assim, aqueles que já estão no sindicato há mais de um mandato poderiam acumular mais dois períodos, caso sejam eleitos. Assim, alguns dos atuais diretores podem permanecer mais de 16 anos dentro da estrutura do Sindilegis.

Entre os candidatos que já integram a diretoria e fazem parte da chapa da situação estão o atual vice-presidente, Alison Aparecido Martins de Souza, que concorre à presidência da entidade, e o presidente Petrus Elesbão, que tenta se eleger diretor de Benefícios. Em um vídeo publicado nas redes sociais, a oposição chama os adversários de “sindicalistas profissionais”.

Acesse o link: https://www.youtube.com/watch?v=BAYGA8rv1Xw

Deixe um comentário