Operação O Recebedor apura desvios nas Ferrovias Norte-Sul e Leste-Oeste

operacao-o-recebedor-apura-desvios-nas-ferrovias-norte-sul-e-leste-oeste
Trecho já concluído da Ferrovia Norte-Sul. Foto: Divulgação/Valec

Na manhã desta sexta-feira (26), está sendo realizada pela Polícia Federal de Goiás, no estado e em outros cinco, além do Distrito Federal, a Operação O Recebedor, um desdobramento da Lava-Jato. Estão sendo cumpridos 44 mandados de busca e apreensão e sete de condução coercitiva, por 180 policiais federais.

As diligências visam recolher provas de pagamentos de propina a ex-diretores da Valec, por empreiteiras contratadas para construir as ferrovias Norte-Sul e Integração Leste-Oeste, da prática de cartel e lavagem de dinheiro, revelados pela Camargo Corrêa.

A operação decorre de acordos de leniência e de delação premiada. De acordo com a PF, executivos da Camargo Corrêa admitiram práticas de formação de cartel, corrupção e lavagem de dinheiro, além de se comprometerem a restituir aos cofres públicos R$ 800 milhões, dos quais R$ 65 milhões serão destinados a ressarcir danos causados à Valec. Ainda segundo a PF, há provas documentais e testemunhais contra outras empreiteiras integrantes do esquema, bem como contra o ex-presidente da Valec, José Francisco das Neves.

A investigação apontou prejuízos aos cofres públicos de R$ 631 milhões, considerando-se somente os trechos executados na construção da Ferrovia Norte-Sul em Goiás

Para o recebimento de propina, empreiteiras executoras das obras utilizavam um escritório de advocacia. A Camargo Corrêa admitiu haver pagado mais de R$ 800 mil a José Francisco das Neves, o “Juquinha”.

O nome da operação é uma referência à defesa apresentada por José Francisco das Neves no Caso Trem Pagador, na qual seus advogados alegaram que “se o trem era pagador, Juquinha não foi o recebedor”.

No Paraná, as buscas estão sendo realizadas na CR Almeida e na Ivai Engenharia. No Maranhão, na Agrossera, Agropecuária e Industrial Serra Grande. No Rio de Janeiro, na Odebrecht. Em Minas Gerais, na Servix e Spa Engenharia, Engesa, Barbosa Mello, Consórcio Aterpa M Martins, além de pessoas físicas, Hugo de Magalhães, João Bosco Santos Dutra, Bruno Von Bentzeen Rodrigues, Eduardo Martins, e Daniel Nóbrega Lima de Oliveira. Em São Paulo, na Construtora Queiroz Galvão, Mendes Junior Trading, Galvão Engenharia, Constran, OAS, Serveng Civilsan, Cavan, Tiisa, Braem, além de Pedro Augusto Carneiro Leão Neto.

No Distrito Federal, são sete pessoas físicas, Ulisses Assad, Rony José Silva Moura, Luiz Sergio Nogueira, Aloysio Braga Cardoso da Silva, Leandro Barata Diniz, Alfredo Moreira Filho e Laize de Freitas. As buscas em Goiás são na Elccom Engenharia Eireli, Evolução Tecnologia, Heli Dourado Advogados, Consórcio Ferrosul, além de Heli Lopes Dourado, José Francisco das Neves, Marivone Ferreira das Neves, Jader Ferreira das Neves, Rodrigo Ferreira Lopes Silva, Rafael Mundim Rezende, Josias Gonzaga Cardoso e Juarez Lopes Machado.

 


Nova fase da Operação Zelotes mira o Grupo Gerdau


CNMP mantém promotor que investiga Lula e o tríplex no Guarujá


Marqueteiro de Lula e Dilma é preso pela PF ao chegar ao Brasil


 

Fonte:

Deixe um comentário