Operação apreende 15 mil produtos falsificados

Mais de 15 mil produtos falsificados foram apreendidos ontem (4) durante a operação do Comitê e Combate à Pirataria, na Feira dos Importados de Taguatinga, que vistoriou 19 bancas e culminou com a detenção de 16 comerciantes.

“Recebemos denúncia das empresas, que registraram queda nas vendas. Após dois meses de investigação, conseguimos identificar quem comprava os produtos (falsificados) para revendê-los”, explicou o delegado Luiz Henrique Sampaio, da divisão de Combate aos Crimes Contra Propriedade Imaterial (DCPim).

Ainda de acordo com o delegado responsável pela investigação, os produtos eram fabricados no Paraguai, enviados para São Paulo e depois chegavam às bancas da feira da capital do país.

A polícia estima que os produtos apreendidos, entre celulares, baterias e carregadores, somem R$5 milhões.

“A operação foi marcada para um dia após a chegada de novos produtos, por isso conseguimos esse grande volume”, complementou Sampaio.

Os 16 detidos responderão por crime contra as marcas e a pena varia de 1 a 3 meses de detenção ou aplicação de multa.

“Esses trabalhadores que estavam infringindo a lei poderão até perder a licença para vender na feira. Todos serão levados para a Coordenadoria das Cidades para responder processo administrativo”, destacou o subsecretário de Operações, da Secretaria de Ordem Pública, e coordenador do comitê, Carlos Alencar.

Apesar da pena ser baixa, Alencar reforçou que o objetivo da operação é “conscientizar a população sobre os prejuízos da pirataria”.

A ação teve a participação de 65 servidores da Secretaria da Ordem Pública, além das polícias Civil e Militar.

Essa foi a quarta operação realizada na Feira de Taguatinga, que desde o início do ano teve 55 mil produtos falsificados apreendidos.

“O Comitê atua desde 2011 e fiscaliza diversas feiras. Na de Taguatinga, nós já tínhamos até conseguido impedir a venda de CDs e DVDs e agora as investigações nos levaram à apreensão dos celulares falsificados”, finalizou o subsecretário da Seops.

Fonte:

Deixe um comentário