OMS vai convocar Comitê de Emergências sobre Zika

A Organização Mundial de Saúde vai convocar um Comitê de Emergências do Regulamento Sanitário Internacional sobre Zika vírus e o aumento que vem sendo observado com relação a doenças neurológicas e de malformações neonatais

 

OMS
Margaret Chan, diretora-geral da Organização Mundial da Saúde. Foto: OMS

A diretora-geral da OMS, Margaret Chan, convocou uma comissão de emergência do vírus Regulamento Sanitário Internacional Zika e aumento desordens neurológicas e malformações congênitas.

 O Comitê se reunirá na segunda-feira, 1 de fevereiro, em Genebra, para determinar se o surto é uma emergência de saúde pública de interesse internacional. As decisões sobre a composição do Comité e do seu conselho serão publicadas no site da OMS.

Surto nas Américas

Em maio de 2015, Brasil registrou seu primeiro caso de doença vírus Zika. Desde então, a doença se espalhou dentro do país, e também para outros 22 países da região.

 A chegada do vírus em alguns países nas Américas, especialmente no Brasil, tem sido associada a um grande aumento no número de recém-nascidos com microcefalia e casos da síndrome de Guillain-Barré condição síndrome na qual o sistema imunológico ataca o sistema nervoso, muitas vezes resultando em paralisia, em alguns casos.

Embora nenhuma relação causal foi estabelecida entre o vírus Zika e malformações congênitas e síndromes neurológicas, há fortes razões para suspeitar de sua existência.

 OMS ação

O Escritório Regional da OMS para as Américas (OPAS) tem trabalhado em estreita colaboração com os países afetados desde maio de 2015. A OPAS mobilizou sua equipe e membros do Outbreak Alert Network e Resposta Global (GOARN) para ajudar ministérios da saúde a reforçar sua capacidade de detectar a chegada e a circulação do vírus Zika por testes de laboratório e de notificação rápida.

O objetivo tem sido o de garantir um diagnóstico preciso e tratamento clínicos dos pacientes, após a propagação do vírus e do mosquito que transmite, e promover a prevenção, principalmente por meio do controle do mosquito.

A Organização está apoiando a expansão e fortalecimento dos sistemas de vigilância em países que têm relatado casos de infecção com o vírus Zika e microcefalia e outras condições neurológicas que podem estar relacionadas ao vírus. Também está reforçando a vigilância nos países em que o vírus possa se espalhar.

Para as próximas semanas, a Organização convocou um grupo de peritos para tratar de lacunas críticas nos conhecimentos científicos sobre o vírus e seus efeitos potenciais sobre os fetos, crianças e adultos.

 A OMS também dará prioridade ao desenvolvimento de vacinas e de novos instrumentos para controlar a população do mosquito, bem como melhorar os testes para os diagnósticos.

Fonte:

Deixe um comentário