O momento da virada na economia do DF

 

Representantes do setor produtivo se reuniram na quarta-feira (13) para a posse da diretoria do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social do Distrito Federal. O grupo é formado por 69 conselheiros – 47 da sociedade civil e 22 do governo. Durante a cerimônia no auditório do Memorial JK, o governador Rodrigo Rollemberg definiu aquele como o “momento de virada” para a economia do DF.

O governador Rodrigo Rollemberg reforçou a importância de políticas públicas para a economia no DF. Foto: Antonio Sabino
O governador Rodrigo Rollemberg reforçou a importância de políticas públicas para a economia no DF. Foto: Antonio Sabino

O objetivo do colegiado é de discutir as demandas da população e apontar soluções para o desenvolvimento econômico. A desburocratização é um dos pontos mais lembrados pelo setor produtivo como um entrave para a arrecadação no governo. “Brasília tem que reencontrar o crescimento, pois o setor que gera emprego e renda está parado”, disse o presidente da Fecomércio, Adelmir Santana.

O conselho terá uma instância superior – o Pleno – e câmaras temáticas. O órgão é vinculado diretamente ao gabinete do governador e à secretaria de Relações Institucionais, comandada pelo secretário Igor Tokarski. O chefe da pasta ressaltou a importância da composição de representantes, que já propôs pautas de Saúde, Educação, Desenvolvimento e Transporte.

Aniversariante do dia, Rodrigo Rollemberg destacou ações de seu governo para o aquecimento da economia brasiliense, que, segundo ele, estava na pior situação entre todas as unidades da Federação no início de seu mandato. “Já simplificamos o Relatório de Impacto de Trânsito (RIT), aprovamos o Refis, melhoramos sensivelmente a Central de Aprovação de Projetos (CAP) e abrimos o edital das startups”, declarou o governador.

Rollemberg citou suas últimas ações: os programas Bolsa Educação Infantil, para universalizar a educação de crianças de até quatro anos: o Circula Brasília, de mobilidade urbana; e o Habita Brasília, de moradia para a população de baixa renda: além das mudanças na Saúde, com a regionalização e a participação das Organizações Sociais (OSs) na gestão.

Segundo Rollemberg, o Conselho é fundamental para definir questões importantes para o desenvolvimento do DF, como a aprovação do Plano Urbanístico e da Lei de Uso e Ocupação do Solo (LUOS). “Estamos caminhando para o progresso. O combate à grilagem, a regularização fundiária e a assistência técnica ao setor estão se tornando realidade com ações do governo”, disse.

 

 


DER bloqueia 5,2 km na saída norte do DF no domingo para detonar rocha

Governo quer ceder estacionamentos no centro de Brasília a gestor privado

DF está em estado de atenção por causa da baixa umidade

Deixe um comentário