Número de videolocadoras no DF caiu de 607 para 96

O segmento que já foi febre há 10 anos virou um desafio para quem ainda insiste na locação de filmes como negócio. Dados do Sindicato das Empresas de Videolocadoras do Distrito Federal (Sindevídeo-DF) mostram o declínio do setor a cada ano. Desde 2004, o número de lojas caiu mais de seis vezes. E apenas nos últimos três anos, quatro em cada 10 empresas fecharam as portas. Hoje, apenas 96 estabelecimentos resistem à concorrência da pirataria, da internet e da tevê a cabo e permanecem em funcionamento na capital.

O presidente do Sindevídeo-DF, Paolo Piacesi, diz que o mercado em Brasília segue a tendência do restante do país, em que a queda é contínua. A venda ilegal de DVDs e o avanço da internet, reforça ele, representaram um duro golpe para o segmento. “Do jeito que está, trata-se de um negócio impraticável sob a ótica empresarial”, diz Piacesi, que tem dificuldade em preencher os cargos da diretoria do sindicato — atualmente, quatro das 14 vagas estão em aberto.


Fonte: Correio Braziliense

Extratos dos Jornais

Deixe um comentário