Novo hospital acoplado de Samambaia terá 100 leitos

Unidade que será construída em Samambaia terá estrutura semelhante à erguida no Hospital Regional de Ceilândia (HRC). Foto: Renato Alves/Agência Brasília

Em um gesto de solidariedade e comprometimento no combate ao coronavírus (covid-19), as redes hospitalares D’Or São Luiz e Ímpar doaram, cada uma, R$ 2 milhões para a construção de uma unidade acoplada ao Hospital Regional de Samambaia (HRSam). O ato ocorreu no gabinete do governador Ibaneis Rocha, no Palácio do Buriti, com a presença de gestores das duas redes; do vice-governador Paco Britto; do secretário de Saúde, Osnei Okumoto; e do presidente do Banco de Brasília, Paulo Henrique Costa.

A unidade que será construída em Samambaia terá estrutura semelhante à erguida no Hospital Regional de Ceilândia (HRC), doada pela empresa JBS, e chega para somar aos esforços do governo em enfrentar o vírus em todo o DF. Ao todo, a estrutura vai dispor de 100 leitos.

A construção da unidade acoplada ao HRSam vem sendo articulada pelo governo nas últimas semanas. As empresas hospitalares da rede particular participaram com R$ 4 milhões. Além disto, doaram ainda dez leitos de UTI. O Comitê Todos Contra a Covid-19 doou mais R$ 2 milhões e o Instituto BRB, R$ 3 milhões, totalizando os R$ 9 milhões.

“Em nome de todos os moradores do Distrito Federal eu agradeço ao empenho e generosidade das empresas que estão entendendo a gravidade da situação e contribuindo. Em 35 dias, teremos mais um hospital com 100 leitos”, avalia o governador Ibaneis Rocha. “Este é um modelo que quero estender para o maior número de hospitais do DF porque vai ficar integrado definitivamente em nossa rede de saúde. Já pedi a Secretaria de Saúde que estude onde poderemos ter novos hospitais acoplados”, adiantou.

“É um gesto importante da iniciativa privada, que está ajudando o governo e a população do DF. Eu, como coordenador do Comitê Todos Contra a Covid-19, agradeço ao grupo Ímpar, à Rede D’Or e ao Instituto BRB essas doações que viabilizam a construção do hospital acoplado de Samambaia”, disse o vice-governador Paco Britto. “O hospital de Samambaia tem um espaço importante para que se possa fazer o aumento dele. São mais 100 leitos. Como legado vai ser muito importante e a população daquela região será muito bem assistida”, acrescentou Osnei Okumoto.

Vice-presidente executivo da rede D’Or São Luiz, Maurício Lopes elogiou a iniciativa do governo e se mostrou empolgado com o projeto. “Temos grande satisfação em participar, doamos dez leitos de UTI em parceria com a rede Dasa Ímpar e mais R$ 4 milhões para o fundo solidário. O projeto [hospital] tem características essenciais para nós. Ele é rápido de ser construído, entregue rápido para a população, e vai ajudar bastante no contorno da pandemia. E é um equipamento permanente para a cidade e vai por vários anos ajudar a população da região”, observa.

Benefícios

Já o presidente da rede Dasa Ímpar, Romeu Domingues, aponta os benefícios da unidade acoplada para a população quando a pandemia passar. “Feliz em participar. O hospital vai ajudar muito Brasília no momento da pandemia e depois ficará de legado para fazer os atendimentos eletivos. As pessoas que não podem fazer o tratamento agora vão ter no futuro um tratamento de qualidade. É uma iniciativa inovadora. Que ela sirva de exemplo para outros estados”, espera Romeu Domingues.

À frente do BRB, Paulo Henrique Costa elogiou a iniciativa de o Instituto BRB também colaborar financeiramente com a iniciativa. “O Instituto BRB e o BRB têm orgulho de participar dessa iniciativa. Sempre falamos que o banco público tem um papel diferente, de ir além do papel tradicional de uma instituição financeira e ajudar a transformar a realidade. Gerar emprego, renda, melhoria da qualidade de vida… Não existe nada mais precioso nesse momento do que fortalecer a estrutura do sistema público de saúde. Essa iniciativa, além de ter impacto grande nesse momento, deixa um legado para o sistema de saúde do DF”, comemora.

Reforço no atendimento

O governo local está construindo ainda três hospitais de campanha, com 100 leitos de UTI cada, para tratar pacientes com coronavírus. As unidades estão distribuídas no Plano Piloto, Ceilândia e Gama.

Enquanto a montagem dos equipamentos segue em ritmo acelerado, nesta quarta-feira (31), foi publicado no Diário Oficial do Distrito Federal o edital para contratação emergencial da empresa que vai gerir os novos hospitais de campanha para atender pacientes com Covid-19.

O contrato terá duração de 180 dias. Caberá à contratada oferecer serviços de gestão integrada de leitos hospitalares, com suporte ventilatório pulmonar e terapia renal substitutiva beira-leito.

O contrato também prevê que a empresa contratada forneça manutenção e insumos necessários ao funcionamento dos equipamentos (incluindo computadores e impressoras) e atendimento dos pacientes (medicamentos, materiais médico-hospitalares, gases medicinais e esterilização de equipamentos e materiais, além de alimentação, nutrição enteral e parenteral).

Fonte: Agência Brasília

Deixe um comentário