Moody’s é 3ª agência a cortar nota do Brasil e tirar selo de bom pagador

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

A agência de classificação de risco Moody’s rebaixou nesta quarta-feira a nota de crédito do Brasil e retirou o grau de investimento do país, que perdeu o último “selo de bom pagador”. A agência também alterou a perspectiva da nota brasileira para negativa, indicando que pode haver novos cortes devido ao ambiente econômico e político desfavorável do país.

De uma só vez, a nota do país foi reduzida em dois degraus, passando de “Baa3” — último nível de grau de investimento — para “Ba2”. Com a decisão, o Brasil não conta mais com o selo de “bom pagador” de nenhuma das três principais agências de rating do mundo, já que Fitch e Standard & Poor’s já haviam tomado tal decisão no ano passado.

A decisão da Moody’s foi baseada na deterioração adicional dos indicadores de dívida do Brasil em um ambiente de baixo crescimento, com a dívida provavelmente excedendo 80% do Produto Interno Bruto (PIB) nos próximos três anos, e na “desafiadora dinâmica política, que continua dificultando os esforços de consolidação fiscal das autoridades e adiando reformas estruturais”.

A Moody’s havia colocado a nota do Brasil em revisão para rebaixamento no início de dezembro, alegando piora da trajetória fiscal e econômica e risco de paralisia política.

“Os acontecimentos macroeconômico e fiscal nos próximos anos devem produzir um perfil de crédito significativamente mais fraco. A dinâmica do crescimento vai permanecer fraca nos próximos anos aumentando a pressão sobre a política fiscal”, disse a Moody’s em comunicado.

S&P e Fitch retiraram o grau de investimento do Brasil em 2015, sendo que a S&P voltou a cortar o rating brasileiro na quarta-feira passada, afastando o país ainda mais de seu “selo de bom pagador”. Com o corte do último dia 17, a nota de crédito da dívida do país passou de “BB+” para “BB”, com perspectiva negativa. O novo patamar, dois abaixo do grau de investimento, enquadrou o Brasil na mesma situação de países como Bolívia, Paraguai e Guatemala.

Segundo a Moody’s, a perspectiva negativa reflete a visão de que estão crescendo os riscos de uma recuperação ainda mais lenta, ou de que ocorram choques adicionais. Com isso, há incertezas sobre a magnitude da deterioração do perfil de dívida do Brasil.

 


Governo anuncia corte de R$ 23,4 bilhões no Orçamento deste ano


Cesta básica aumenta em todas as capitais em janeiro. Brasília tem cesta mais cara


Com alta de 60%, rombo de fundo de pensão da Petrobras vai a R$ 10 bi


Fonte:

Deixe um comentário