Mais um posto próximo a residências em Taguatinga

O posto fica na QSE, subida da Boca da Mata. Foto: Antonio Sabino/BSB Capital

Estão em fase final as obras de um terceiro posto de combustíveis próximo a residências e escola em Taguatinga. Depois da polêmica com a construção de duas unidades da Rede Braga na QNA 25, na Praça do DI, e na QND 46, no Pistão Norte, um posto com a bandeira BR na QSE 22 divide parede com uma casa e fica a uma rua do Centro de Ensino Fundamental 5, na Área Especial 9/10, na via conhecida como Boca da Mata.

O posto está à esquerda de quem segue no sentido Taguatinga-Samambaia. A estreita rua de mão dupla dá acesso ao CEF 5 e ao Residencial Varandas do Parque fica antes da futura entrada do posto. O trânsito na área já é complicado e moradores temem o aumento no número de acidentes.

 Lotes residenciais – Em junho, o Brasília Capital mostrou que dois postos estavam sendo construídos em lotes residenciais próximos a casas e escola. A administradora de Taguatinga, Karolyne Guimarães, justificou que os alvarás de construção estavam em conformidade com a legislação.

O grupo Defensores de Taguatinga impetrou uma ação no Ministério Público para impedir a inauguração. Entretanto, há dez dias o MP liberou que continuação das obras. O movimento apontou uma série de riscos que o funcionamento dos dois postos pode oferecer.

Entre outros, aumento do número de acidentes de trânsito e da criminalidade, poluição ambiental, incêndios, falta de estacionamentos públicos, depreciação imobiliária, queda da qualidade de vida dos moradores e assinatura de alvará de construção sem estudo urbanístico e ambiental.

2 Responses

  1. Com todo respeito, se fosse com a mesma perspectiva, na Asa Sul, Asa Norte, Lago Sul e Lago Norte não poderiam ter postos de gasolina oras bolas. Não tem nada haver essas indagações. E pior, até aonde todos sabem, para um posto de gasolina se instalar, tem que ter licenciamento ambiental para instalar os tanques de combustível. Mas claro, acho que o povo prefere os lotes vazios ou com casas vazias para os craqueiros fazerem morada lá.

  2. Primeiro as fortunas de deputados distritais com.a mudança de destinção de areas. Logo veio o libera geral. Sobretudo com a tal outorga onerosa. Onde o empresário paga uma micharia para os cofres públicos e pode fazer o que quiser.
    Aí, temos prédios residenciais e comerciais de até vinte andares em áreas pra casas unifamiliares e de no máximo dois pavimentos. Quitinetes, butecos e igrejas e cartórios virou moda. Se não bastasse, oficinas mecânicas e serralherias.
    O Detran tentou dar um mínimo de ordem no trânsito exigindo garagens, aí a predsap da grama falou mais auto.
    Durma-se com um barulho desses.

Deixe um comentário