Lições com a prisão de João de Deus

Acusado por mais de 330 mulheres de prática de abusos sexuais e até de estupro, o médium João de Deus se entregou na tarde de domingo (16) à polícia de Goiás no município de Alexânia, onde mantém desde 1976 a Casa Dom Inácio de Loiola. A prisão de João de Deus deve servir de lição para todos os médiuns. Eles precisam entender que mediunidade é dom gratuito de Deus e deve ser ministrada gratuitamente.

O médium é o meio, o intermediário,entre o espiritual e o material. “Eis que no final dos tempos a derramarei sobre toda a carne. Os velhos profetizarão, e os jovens terão visões. Recebeste-ade graça; dê de graça o que de graça recebeste. Curem os doentes; expulsem os demônios”, ensinou o Senhor, por meio do profeta Joel.

Portanto, mediunidade não é profissão, e não há desculpas para se fazer comércio por meio dela ou se locupletar, seja de que modo for. Crescer e ajudar a crescer devem ser os objetivos. Alguns médiuns justificam a necessidade de cobrar ou aceitar ofertas- o que dá no mesmo -, alegando que precisam comer, vestir, etc.

Ora, o exercício da mediunidade deve ser feito num horário alternativo ao da profissão. Nenhum médium, exceto se tiver renda própria, deve dedicar-se exclusivamente à mediunidade. Chico Xavier foi empregado do Ministério da Agricultura até aposentar-se. Divaldo Franco fez o mesmo no IPASE, e todos os demais que conheci e conheço têm ou tiveram suas profissões.

Muitos médiuns não são espíritas, não estudaram sobre o tema, e erram ao usarem um dom sem conhecimento. Médium,qualquer que seja o nome que se dê, deveria, pelo menos, fazer a leitura de três livros básicos: O Livro dos Médiuns, de Allan Kardec; Nos Domínios da Mediunidade, de André Luís; e Mediunismo, de Ramatis.

A mediunidade, como atesta a continuidade da vida e nossa origem divina, desperta a ira das potências do mal que têm todo o interesse em que a humanidade acredite no fim da existência corporal como o fim da vida. Desta maneira, no entendimento deles, fica mais fácil a indução à corrupção, ao suicídio e todas as demais formas de crimes.O exercício da mediunidade requer do médium atenção com as ciladas para desprestigiá-lo, iludi-lo,desviá-lo ou liquidá-lo. Elogios, ofertas materiais, tentações sexuais e ocupações que tiram seu tempo para dedicar-se, são as mais comuns. Fiquem com os ensinamentos de Jesus: “E quando fizeres tudo o que puderem, agradeçam por serem servos inúteis, por terem feito apenas a obrigação”. E com os Mestres do Oriente: “Ajude, e passe adiante”.

One Response

  1. A casa não fica no município de Alexânia, mas sim Abadiânia.
    Até onde eu sei, o médium João de Deus, ao que tudo indica, abusador e estuprador, não cobrava pelos serviços prestados na Casa Dom Inácio de Loiola, o que não o inocenta de modo algum. ~Tenho confiança que tantos as leis dos homens quanto as de Deus serão severas com ele.
    Acredito que ele aceitava doações, o que não se configura pagamento, exceto prova em contrário, pelo visto vem vultosas, considerando a fortuna amealhada pelo mesmo.

Deixe um comentário