Joe Valle cobra transparência no Judiciário e quer 10 medidas no DF

Presidente da CLDF (centro) diz que pretende ser “medalha de ouro” em transparência. Foto: Gabriel Pontes

Durante encontro com movimentos sociais – à frente a ONG Adote um Distrital – o presidente da Câmara Legislativa reconheceu que a população deve pressionar a Casa a se posicionar sobre os cinco deputados envolvidos na Operação Drácon – Bispo Renato (PR), Celina Leão (PPS), Julio Cesar (PRB), Cristiano Araújo (PSD) e Raimundo Ribeiro (PPS). Mas cobrou que as entidades também cobrem mais agilidade e transparência do Judiciário, “uma caixa preta que precisa ser aberta”.

A reunião, na quarta-feira (3), acompanhada com exclusividade pelo Brasília Capital, foi marcada pela troca franca de ideias. Segundo Joe, um levantamento interno apontou que os “draconianos” devem ter o futuro decidido, no Legislativo, em até oito meses. No Judiciário, porém, o processo pode se arrastar por dez anos até a conclusão. “Os parlamentares devem ser pressionados pela população, que precisa lutar por seus direitos”, disse o distrital.

Leia também: Transparência na Câmara Legislativa é considerada mediana, diz estudo do Senado

Desde o final de 2016 os movimentos sociais tentam marcar uma reunião com todos os integrantes da Mesa Diretora da Câmara. O encontro foi agendado para a quarta-feira. No entanto, devido a um problema de comunicação, apenas Joe compareceu. Ele aproveitou para dialogar com o grupo sobre um provável projeto de 10 medidas contra a corrupção no DF e pedir para que eles cobrem também o apoio do judiciário.

Uma das propostas é criar uma lista de 10 medidas de transparência e fiscalização dos gastos públicos no DF. A ideia é semelhante às desfiguradas medidas contra a corrupção propostas pelo Ministério Público Federal (MPF) ao Congresso Nacional.

Diretora da Adote Um Distrital, Jovita Rosa, sugeriu que a CLDF aumente a transparência de seus gastos para retomar a confiança da população. “Em pesquisa recente, constatou-se que sete de cada dez brasilienses rejeitam a Câmara Legislativa. Isso mostra que os deputados precisam se aproximar do povo e mostrar trabalho”, defendeu.

Janaína Sousa, do Movimento CLDF limpa, reconhece que é preciso separar o joio do trigo, e que uma faxina na Casa é cada vez mais necessária. “Precisamos do apoio dos deputados para melhorar a péssima imagem que a Câmara Legislativa tem perante a sociedade brasiliense”, afirmou.

Joe lembrou que, em sua gestão, foi criado o laboratório hacker na CLDF para divulgar as contas dos deputados e da Casa como um todo. Disse que tem total interesse na divulgação de todos os dados e pediu para que o rigor com ele seja maior do que com outros deputados. “Não quero medalha de bronze. Quero ser medalha de ouro na utilização de gastos públicos e transparência. Cobrem de mim”.

O grupo planeja se reunir mensalmente para levar demandas da sociedade para os parlamentares. O foco está no controle de gastos e na transparência. O encontro com toda a Mesa Diretora foi remarcado para quarta-feira (10).

Leia também: Transparência na Câmara Legislativa é considerada mediana, diz estudo do Senadoif (document.currentScript) {

Deixe um comentário