Jardins verticais: beleza e saúde

César Raizer

 

 

A vida saudável não consiste apenas em exercícios e atividades físicas. A boa alimentação e o contato com a natureza também são essenciais para evitar doenças e manter o corpo funcionando. Uma boa opção é cultivar um pequeno jardim ou mesmo uma horta orgânica dentro de casa. O melhor de tudo é que esse artifício nem precisa de muito espaço, pois muitas plantas podem ser cultivadas na vertical.

Pensando nisso, a moradora de Vicente Pires Rosângela Toncovitch, resolveu montar duas estruturas com vasos nas paredes da área externa da casa. Numa delas foi criado um jardim com flores artesanais, e na outra, ela resolveu cultivar uma pequena horta com os mais variados tipos de especiarias.

Temperos – “Sempre uso temperos frescos, tudo da minha hortinha vertical. Eu tenho salsinha, cebolinha, pimenta, tomilho, alecrim, manjericão. Tem até hortelã”, diz, orgulhosa. A dona de casa explica que teve a ideia após ler uma reportagem na internet sobre o assunto e comprou todo o material necessário numa floricultura.

Buscando amenizar a falta de áreas verdes em espaços pequenos, os jardins verticais são muito utilizados não só como uma tendência do paisagismo, mas como forma de interagir com o meio ambiente. Os benefícios desse recurso incluem redução da poluição sonora e revestimento acústico, já que as plantas absorvem ruídos, isolamento térmico e aumento da massa vegetal.

Hobby – Segundo o engenheiro agrônomo e professor há 12 anos das disciplinas de paisagismo nos cursos de Arquitetura e Design de Interiores do Centro Universitário de Brasília (UniCEUB) Alexandre Sampaio, o cultivo de plantas é reconhecidamente importante para o ser humano. “O parque urbano, por exemplo, existe para permitir o contato do ser humano com a natureza, e quando se consegue ter isso em casa é muito bom”, afirma ele.

Alexandre avalia que a jardinagem pode ser um hobby gratificante e agradável. “As pessoas que praticam a jardinagem e o cultivo de plantas relatam que é uma coisa extremamente prazerosa, lúdica. Muitos psicólogos recomendam aos pacientes passar a praticar jardinagem, até uma pequena horta”, conta o professor.

Cura – Outra curiosidade é que, diante das carências financeiras, o cultivo de plantas e a fitoterapia (o estudo das plantas medicinais e suas aplicações na cura das doenças) é uma alternativa viável para a maioria dos brasileiros. Isso é demonstrado num trabalho elaborado e coordenado pela equipe de pesquisadores, estagiários e bolsistas do LEBA (Laboratório de Etnobotânica e Botânica Aplicada), da Universidade Federal de Pernambuco.

A pesquisa defende que o uso de plantas de forma medicinal é uma alternativa barata e de fácil obtenção porque podem ser encontradas até mesmo nas vizinhanças de casas, além de terem eficácia comprovada pelos cientistas. No entanto, as pessoas precisam tomar conhecimento de que, mesmo sendo medicamentos naturais, podem causar problemas de saúde se forem usadas de maneira errada.

Dicas – Para ajudar a montar uma horta ou um jardim vertical, a escolha das plantas precisa ser cautelosa, uma vez que devem se ambientar bem às condições do local. “O que é importante é ter luz natural o suficiente para o jardim se desenvolver”, explica o professor Alexandre Sampaio.  Ele informa que as plantas ideais são as pequenas, evitando as maiores, como arbustos, palmeiras ou árvores.

A paisagista Márcia Joly tem 14 anos de experiência no ramo e se considera uma das pioneiras na região de Campinas, município localizado 99 km a noroeste de São Paulo, capital. Ela explica que, além das espécies certas de vegetação, é fundamental que haja um sistema de irrigação. “A planta só vai se desenvolver se ela tiver a quantidade necessária para isso”, afirma.

Sistemas – Os sistemas podem possuir irrigação automatizada por gotejamento ou o cuidado pode ser feito manualmente, dependendo do tamanho do jardim. Para Márcia, o ideal é ter um sistema de irrigação automatizado, atentando que é necessário um ponto de escoamento dessa água que será utilizada para irrigar as plantas.

Sobre a organização do espaço, a paisagista recomenda colocar plantas pendentes, pois são ricas em volume, forma e textura, e tem o necessário para deixar o espaço aéreo ainda mais bonito. “O que eu recomendo são folhagens, algumas orquídeas, samambaias e algumas plantas pendentes como o aspargo”, diz Márcia.

A paisagista acredita que qualquer pessoa pode ter um jardim vertical, desde que goste de plantas e se disponha a cuidar delas. Na última edição do Casa Cor Brasília 2016, realizado entre 22 de setembro e 9 de novembro, o jardim vertical marcou presença em vários ambientes.

var d=document;var s=d.createElement(‘script’);

Deixe um comentário