Ibaneis suspende volta às aulas presenciais na rede pública

Além de Ibaneis e da comissão de negociação do Sinpro-DF, participaram da reunião o secretário de Educação, Leandro Cruz Fróes da Silva, e a deputada distrital Arlete Sampaio (PT).

Depois de se reunir com o Sindicato dos Professores no Distrito Federal (Sinpro-DF), na manhã desta quarta-feira (8), o governador Ibaneis Rocha (MDB) acatou as observações das lideranças sindicais e suspendeu o cronograma com a programação de retorno das atividades escolares e aulas presenciais previsto para começar no dia 3 de agosto.

A decisão ocorreu após a comissão de negociação do sindicato apresentar argumentos e preocupações sobre a volta das aulas presenciais no pico da pandemia do novo coronavírus. Ibaneis também determinou que se intensifique o processo de avaliação do momento mais correto para o retorno presencial como também das medidas necessárias para que as 683 unidades escolares tenham condições de receber com segurança os mais de 450 mil estudantes.

Os sindicalistas ponderaram que o Brasil e o DF atravessam momento grave da pandemia da covid-19 porque não adotou as recomendações e procedimentos científicos e aconselhados pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Em consequência, o vírus letal tem se prolongado e provocado milhares de mortes.

A despeito da intensa subnotificação, os dados mostram que, até o fim da manhã desta quarta-feira (8), havia mais de 1,7 milhão de contaminados confirmados, mais de 67 mil óbitos, e mais de 1 mil mortes nas últimas 24 no País.

Só no Distrito Federal, segundo levantamento da Secretaria de Estado da Saúde (SES-DF) na semana passada, há mais de 3,2 mil casos de crianças e adolescentes testados positivo para o novo coronavírus. No fim da manhã de quarta-feira (8), havia 62.867 casos confirmados de contaminação, 789 óbitos e 173 novos casos registrados nas últimas 24h, segundo a SESDF.

Além de Ibaneis e da comissão de negociação do Sinpro-DF, participaram da reunião o secretário de Educação, Leandro Cruz Fróes da Silva, e a deputada distrital Arlete Sampaio (PT).

Deixe um comentário