Grupo invade Ministério das Cidades, no DF, para cobrar habitação rural

ministerio-das-cidades_1
 
Manifestantes são de movimentos sociais do campo, como MST e Contag. Não houve registro de confusão; PM disse haver 300 pessoas no local
 

Manifestantes ligados a movimentos sociais do campo ocuparam a sede do Ministério das Cidades, em Brasília, na manhã desta terça-feira (20) para cobrar a retomada das ações do programa Minha Casa, Minha Vida para áreas rurais. De acordo com os representantes do ato, o déficit de habitações chega a 35 mil unidades. A entrada de funcionários foi barrada, mas mão houve registro de confusão no ato, classificado como “tranquilo” pela Polícia Militar.

A corporação estimava a presença de 300 pessoas no local. De acordo com os manifestantes, eram esperadas 1,5 mil. Entre os representantes do ato estão o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), a Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag) e da Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras da Agricultura Familiar (Fetraf).

“É urgente a contratação imediata de 35 mil unidades habitacionais para o campo. Nosso levantamento aponta que há um déficit de 10 mil unidades para assentados da reforma agrária, 17 mil unidades para a agricultura familiar tradicional e mais 8 mil unidades para indígenas, quilombolas e extrativistas”, disse o representante do MST, Alexandre Conceição.

O militante disse ainda que o grupo só vai desocupar o prédio após ter uma reunião marcada com o ministro Gilberto Kassab. “Viemos com hora de chegada, mas sem hora de saída.  Queremos uma reunião de negociação com resultado concreto.”

Os movimentos sociais ainda exigem a ampliação dos recursos destinados para o financiamento de cada unidade habitacional. Atualmente, o valor é de R$ 30,5 mil para a região Norte e R$ 28,5 mil para as demais regiões.

“Nossa proposta é de que, na região Norte, o investimento seja de R$ 40 mil por cada unidade habitacional e, nas demais regiões, R$ 36,6 mil. A moradia é um direito do trabalhador do campo e isto tem que ser oferecido de forma digna pelos programas governamentais. Não é só por que estamos no meio rural que temos que ter subsídios menores”, disse o integrante da Contag David Wilkerson.


 

Leia mais:


 

Rollemberg visita Escola de Música


Comemorar o quê?


Fogo que arde e destrói


Fonte: ,

Deixe um comentário