Filosofando sobre a felicidade

À mesa, sozinho, mal posso esperar para saborear os quatro caranguejos que estão diante de mim, naquela base do toc-toc com os martelinhos brancos, de plástico. Somados aos caranguejos, as lambretas (*) e respectivo caldo de sabor inigualável. Tudo preparado pela magia de uma cozinheira que mal conheço, muito embora frequente este mesmo restaurante baiano todo final de ano, nas férias.

Só então me dou conta de que sou dono de tantas riquezas, inclusive de um estômago e apetite de leão, muito embora esteja a poucos dias para completar 93 anos de idade. Com certeza sou um sujeito sortudo caminhando sob o signo da felicidade.

E aí, filosofando, me pergunto: mesmo sendo conjugada lexicamente como substantivo feminino abstrato, a felicidade existe como coisa concreta ou não passa de ilusão pura e simples que as pessoas inventam para deleite próprio?

Sinceramente, acredito que a felicidade existe, sim, e pode ser usufruída de várias maneiras, preferencialmente relacionadas às coisas mais simples, como jantar caranguejos regados a caldo de lambretas. Em caso de qualquer dúvida, vale a pena recorrer aos poetas, que são os arautos de Deus. Vejamos o que diz o imortal Vinicius de Moraes:

“Tristeza não tem fim, / Felicidade, sim. / A felicidade é como a pluma / Que o vento vai levando pelo ar / Voa tão leve / Mas tem a vida breve /Precisa que haja vento sem parar. //

            A Felicidade do pobre parece / A grande ilusão do Carnaval: / A gente trabalha o ano inteiro / Por um momento de sonho / Pra fazer a fantasia / De rei, de pirata ou jardineira / Pra tudo se acabar na quarta-feira! //

            A minha Felicidade está sonhando / Nos olhos da minha namorada / É como esta noite / Passando, passando / Em busca da madrugada. / Falem baixo, por favor. / Pra que ela acorde alegre como o dia / Oferecendo beijos de amor!”

            É isso aí, amigo leitor. Mas, para mim, a felicidade ampla e irrestrita é a minha linda família, tendo à frente minha mulher,Lêda Maria, rebocando com amor de sete filhos, dezessete netos e três bisnetos – por enquanto!

 

(*) Lambreta é um molusco tipo marisco, que só é encontrado no litoral da Bahia

Deixe um comentário