Fernando Gabeira, o Guerrilheiro do Bem

Trabalhei com Fernando Gabeira no Jornal do Brasil em 1962. Ele como editor de pauta. Aliás, o melhor que conheci. Sem ser religioso, sempre foi dono de uma mansidão evangélica. Eis porque causou surpresa geral quando ficamos sabendo que colaborara com o sequestro do embaixador americano Charles Elbrich, no dia 4 de setembro de 1969, no Rio de Janeiro.O diplomata ficou trancafiado numa casa do bairro do Rio Comprido, enquanto seus captores negociavam com o governo ditatorial a liberdade de 15 presos políticos, que, finalmente, foram enviados para Cuba num Hercules da FAB.

Ao ingressar na clandestinidade, Gabeira foi preso e torturado, em 1970, e banido do país em 15 de junho do mesmo ano, juntamente com 39 presos políticos, em troca da libertação do embaixador da Alemanha Ocidental, Ehrenfried von Hollenben, sequestrado tal qual Elbrich. No exílio, Gabeira morou em Cuba e Argélia, fixando-se em Santiago do Chile. Em setembro de 1973, por causa do golpe militar que derrubou o presidente Salvador Allende, fugiu para a Suécia, onde trabalhou como porteiro de hotel e maquinista de metrô, enquanto à noite cursava Antropologia, na Universidade de Estocolmo.

Aos 77 anos, com uma vitalidade impressionante, desde que voltou do exílio em 1986, Fernando Gabeira concorreu a cargos públicos no Legislativo,não só como deputado federal, mas também como governador do Rio e até mesmo à Presidência da República, em 1989, quando obteve apenas 0,18% dos votos. Em 1994, eleito deputado federal pelo PV fluminense, conseguiu a façanha de conquistar o primeiro lugar no pleito de 2006, como o deputado federal mais votado, com 293.067 votos.

Na vida familiar, casou três vezes: no exílio, com Vera Guimarães, companheira de militância; na volta, com a estilista Yamê Reis, com quem teve duas filhas, a psicóloga Tami e a surfista Maya Gabeira; e atualmente com a empresária Neila Tavares.

Na literatura, além do “O que é isso, Companheiro?”,publicou vários livros de sucesso. Finalmente, a partir de 1985, quando chegou à conclusão de que, politicamente, sonhara o sonho errado, optou, definitivamente, pela defesa das causas dos direitos das minorias e do meio ambiente, o que incluiu em seu programa de excelente audiência na TV Globo, com a coragem e a valentia de um autêntico Guerrilheiro do Bem!

Deixe um comentário