Felicidade clandestina

Não. Não é plagio à Clarisse Lispector. Ela é uma musa inimitável. O que estou falando aqui é exatamente dessa clandestinidade que nos é imposta por nós mesmos e pelos que nos cercam.  A felicidade é uma visita que nem sempre agrada os visitados. A felicidade é linda, rica, autossuficiente, e profundamente, insuportavelmente feliz! Quem aguenta?

Estamos em casa e de repente eis que bate à porta. Ela a Felicidade. O que fazer? Esconder a tristeza embaixo do sofá? Fingir serenidade, usar clichês manjados? Não adianta. Nada vai disfarçar o profundo incômodo que se sente ao se deparar com aquilo que buscamos mas que nunca conseguimos sequer tocar. O mais próximo que chegamos dessa “tal felicidade” foi na música do Tim Maia e em comercial de margarina. E aí…

E aí, que de uma hora pra outra a vida te dá um sacolejo, te vira do avesso, te desmonta toda; você mal consegue soletrar seu nome sem que isso te cause uma certa dúvida. A vida do avesso. O Norte no Sul. E estranhamente você se percebe FELIZ. Mas feliz de um jeito que é totalmente novo pra você. Uma felicidade que parece ter nascido com você,que te sustenta, que te suporta, que te abraça. É um café. Quente e açucarado.

Eis que agora é você a indesejada das gentes. A felicidade em pessoa. Em primeira pessoa. Descobriu-se bela, descobriu-se outra e a mesma. Uma fusão entre dois pontos, a lógica sobre o abismo. Feliz de doer. E como é de verdade, nada te abate, nada te desaponta. Porque você aceita. Aceita o Yin e o Yang, aceita o mártir e a vilã da novela das oito. Tudo com alegria. Mas não é aquela alegria blasé, falsa. É felicidade.

Mas, lembre-se: nem sempre será bem-vinda. Felicidade, por si só já é pleonasmo. E em tempos de recessão, quem aguenta? Economizamos risos, lágrimas, sinceridade, tudo, absolutamente tudo está pela hora morte. E em alguns já se celebra a missa de sétimo dia.

Então, minha amiga, o melhor mesmo é ter este caso secreto com você. Não conte. A felicidade é clandestina.

(*) Escritora

Deixe um comentário