Faltam 21 mil vagas em creches públicas do DF

 

                                                      Sala atividades numa creche de Sobradinho 

                                                           Foto: Pedro Ventura/Agência Brasília

 

O Governo do Distrito Federal não conseguiu expandir, nos últimos 12 meses, a oferta de creche pública para crianças de 0 a 3 anos. A informação é do portal G1, baseada em dados fornecidos pela Secretaria de Educação. Segundo a pasta, o déficit nessa faixa etária é de 21 mil vagas. O mesmo número tinha sido informado em 5 de janeiro de 2016, quando pais também disputavam espaço nas unidades.

De acordo com as tabelas do governo, 16 mil meninos e meninas com até 3 anos são atendidos pela rede de ensino. Em nota, a secretaria diz que “essa faixa etária não possui garantia de atendimento amparada por lei”, mas está trabalhando para atendê-los “no menor tempo possível”.

Intenção

Na entrevista feita há 12 meses, o subsecretário de Planejamento, Avaliação e Acompanhamento Educacional, Fábio Pereira de Sousa, dizia que a intenção do GDF era reduzir esse déficit em 20% ao longo de 2016. Na época, o governo também tinha carência de 2,7 mil vagas para crianças de 4 a 5 anos. Questionada quarta-feira (25), a pasta não citou números para essa faixa etária.

Em meio à polêmica, pais que não tem com quem deixar os filhos em casa enquanto trabalham relatam o sofrimento na corrida pelas vagas. Segundo eles, há mais de uma semana ninguém atende o telefone disponibilizado para a matrícula no portal 156. O cobrador Floriano Peixoto, de Santa Maria, disse estar “extremamente preocupado” com a situação. “Não sei o que fazer. Preciso matricular meu menino e ninguém me ajuda”, afirmou.

Telefone 156

Em nota, a Secretaria de Educação informou que não há problemas no 156, de acordo com a área técnica, e recomendou que “as ligações sejam feitas fora do horário de pico” para evitar congestionamentos.

 A secretaria informou que a matrícula “depende da disponibilidade de vaga e da classificação do candidato”, que é avaliada após a inscrição. As aulas começam no dia 6, mas o governo diz que as inscrições continuarão abertas durante todo o ano, a depender da existência de vagas.

Questionada sobre o número total de vagas disponíveis e ocupadas na rede pública, a secretaria afirmou ao G1 que não poderia nem estimar o dado, que varia diariamente conforme as crianças completam 4 anos de idade e “migram” rumo ao ensino básico.

Fonte: G1