Expansão metroviária do DF é apresentada

Os projetos do GDF para expansão metroviária, no Distrito Federal, foram apresentados ontem (10), durante o encerramento do “19º Congresso Brasileiro de Transporte e Trânsito”, que começou nesta terça-feira (8) com representantes de São Paulo, Rio de Janeiro e Curitiba, no Centro de Convenções Ulysses Guimarães.
De acordo com a diretora-presidente do Metro, Ivelise Longhi, entre as ações debatidos estavam a expansão da Linha 1 do Metrô-DF, que agregará mais 7,5km de via, com duas novas estações em Ceilândia, duas em Samambaia e uma na Asa Norte.
“Este projeto não se restringe apenas à expansão, mas também à modernização de todo o sistema. Nós precisamos aprimorar o nosso sistema para atender melhor à sociedade”, afirmou a diretora-presidente, ao informar que a expansão está em fase de projeto básico e executivo para lançamento da licitação.
Longhi também apresentou a Linha 1 do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) de Brasília, que está em fase de pré-qualificação das empresas interessadas em participar da concorrência pública.
“Todas essas melhorias têm como objetivo oferecer um transporte à altura da capital do país, para que possamos ter uma mobilidade que seja referência para todo o Brasil”, destacou a diretora-presidente.
MODELO – No primeiro dia do congresso, estudantes, engenheiros e funcionários de outros sistemas de transportes públicos brasileiros foram conhecer o Centro de Controle Operacional (CCO) e o Pátio de Manutenção da Companhia que administra o Metrô de Brasília.
Eles embarcaram na estação Central e viajaram de metrô até Águas Claras, onde foram recebidos pela diretora-presidente, Ivelise Longhi, no auditório do Complexo Administrativo e Operacional (CAO).
Ivelise deu as boas vindas e fez uma breve contextualização histórica da criação e construção do Metrô-DF. “O traçado original do Metrô-DF surgiu em 1977, quando se percebeu que a cidade estava crescendo principalmente no eixo sudoeste, hoje a região mais densa”, disse.
Em seguida, o controlador de operação, Gauss Fontes, fez uma apresentação sobre a operação metroviária. Ele explicou que após o último passageiro desembarcar, por volta das zero horas, começa uma nova jornada de manutenção noturna.
“O Metrô-DF funciona 24h por dia, apesar de a operação comercial ser das 6h às 23h30”. Depois da apresentação, eles seguiram para o CCO e para o Pátio de Manutenção.
CONGRESSO – O evento, promovido bienalmente pela Associação Nacional de Transportes Públicos (ANTP), teve como objetivo debater os rumos para a mobilidade urbana do país.
Nesta 19ª edição, o congresso tratou sobre Mobilidade Urbana para Cidades Sustentáveis, que se desdobrou em três eixos: planos de mobilidade urbana nas cidades brasileiras, segurança viária e redução dos acidentes, meio ambiente e matriz energética.

Fonte:

Deixe um comentário