Em todo o mundo, policiais garantem quarentena e seguram o coronavírus

Inúmeros vídeos nas redes sociais mostram a ação da polícia para conter, nas ruas de todo o mundo e do Brasil, transeuntes que não respeitam o isolamento social contra o avanço do novo coronavírus. No início da semana, uma mulher de Araraquara, interior de São Paulo, desobedece os decretos do prefeito e do governador e adentra uma praça, terminantemente proibida, no momento, ao tráfego aleatório de transeuntes.

Mulher é detida por descumprir isolamento em Araraquara | Jovem Pan
Mulher é detida após morder um guarda em abordagem por descumprir quarentena em Araraquara, interior de São Paulo. Foto: Reprodução

A cena é violenta e deprimente. Ela, aparentemente insuflada pelo discurso Presidencial, desafia a Justiça, se declara eleitora de Bolsonaro, desacata os policiais e encara a voz de prisão com muitos impropérios. Cena lamentável e vexatória. “Xinga” todo mundo de “petista”, diz que os policiais são aliados dos petistas da China. Ao ser dominada, morde o braço a ponto de rasgar a farda de um dos policiais.

Mas não foi um fato isolado. No Distrito Federal, tornou-se comum todo tipo de tentativa de quebra do isolamento social. Pastores e religiosos evangélicos, alguns comerciantes e supostos empresários têm ido às ruas com carros de som de alta potência convocar a população a desrespeitar o isolamento e voltar à rotina normal. Em nenhum país do mundo se viu cena tão degradante.

No Brasil, sobretudo na capital federal, alguns desses carros de som chegaram a dizer que o coronavírus 2 não existe. O discurso reverbera a inconsequente e irresponsável atuação do Presidente da República e é replicado por muita gente.

É nas ruas, diante cenas como essas, que se verifica a ação das polícias e se constata que não são só os médicos e alguns governantes que se dedicam a impedir o avanço do coronavírus 2. No Brasil e no mundo, as forças policiais também agem com firmeza para combater a “praga do século XXI”.

A Associação Internacional de Polícia (IPA), que reúne mais de 500 mil representantes de 70 países de todos os continentes, aborda a cooperação policial na solução de problemas humanitários, além de questões de aplicação da lei.

Uma matéria divulgada pelo site JT News faz um levantamento de todas as ações das polícias em vários países do mundo divulgadas na imprensa. Conta como as polícias estão na linha de frente do combate ao novo coronavírus.

Os relatos mencionam o tenente-general, doutor em direito, professor e jurista emérito, Yury Zhdanov, que chefia a IPA Nacional Rússia, que contou à Rossiyskaya Gazeta como as forças policiais de vários países estão contribuindo para a batalha global contra o coronavírus 2.

Confira a seguir curiosidades e determinações interessantes sobre locais de como as polícias do mundo todo partilham experiências que podem inspirar as forças locais e fortalecê-las com novos fôlegos. Yury Zhadanov mostra a ação das polícias em Nur-Sultan e Almaty, no Cazaquistão, Hong Kong, Cingapura, na América Latina, Peru e Cuba, Irã e Teerã, Grécia, Islândia, República Tcheca, Islândia, França, Espanha, Itália, Alemanha e Los Angeles, nos EUA.

Polícia dos EUA atende à distância

Metade dos patrulheiros do Departamento de Polícia de Los Angeles agora está vestindo uniformes. Como regra, a maioria dos policiais usa roupas simples para evitar atenção desnecessária. Eles acreditam que as alocações são suficientes para proporcionar alta visibilidade das patrulhas em todas as partes do estado e garantir a segurança dos residentes e dos funcionários das lojas.

Ao mesmo tempo, todos os distritos policiais estão fechados para visitantes. A polícia pediu ao público que envie suas mensagens para endereços de e-mails designados para todos os distritos e garantiu ao público que continuaria a responder aos crimes. Os comandantes de plantão enviarão patrulheiros às cenas de ocorrências.

Alemanha: Quebrar a proibição dá 5 anos de prisão

Artigo explica como funciona o modelo policial na Alemanha
As forças policiais locais são responsáveis pelo cumprimento da quarentena na Alemanha. Foto: Reprodução

Existe uma força-tarefa de crise conjunta do Ministério Federal do Interior e do Ministério Federal da Saúde que combina suas competências para combater a ameaça da covid-19. As forças policiais locais são responsáveis pelo cumprimento da quarentena.

De acordo com o artigo 74 da Lei de Proteção contra Infecções (Infektionsschutzgesetz), qualquer pessoa que cometer violações intencionais é penalizada com uma multa ou um período de prisão de até cinco anos.

A proibição, que não se aplica às famílias, entrou em vigor em 23 de março pelo período até o feriado da Páscoa (19 de abril), e os infratores estão enfrentando multas de até 25.000 euros (US$ 26.908).

Oito regras – Foram criadas 8 regras que devem ser seguidas rigorosamente pelos alemães, que são o povo de Ordnung:

• Minimizar os contatos sociais, exceto a família.

• Manter uma distância de pelo menos 1,5 metro entre pessoas, exceto a família, em áreas públicas.

• Ficar sozinho ou com outra pessoa, que mora separadamente, ou com a família em áreas públicas.

• É permitido trabalhar, cuidar dos doentes, fazer compras, consultar um médico, participar de uma reunião, um evento ou teste essencial, para ajudar os outros e se exercitar ao ar livre.

• Qualquer parte pública ou privada é proibida.

• Restaurantes, bares e cafés devem estar fechados. A única exceção é feita para entrega de comida ou serviço de take-away.

• Todos os serviços que requerem contato pessoal (salão de cabeleireiro, cosmético, de massagem e de tatuagem) devem ser fechados. Serviços médicos essenciais são permitidos.

• É importante cuidar da higiene e tomar medidas relevantes em todas as instituições, especialmente as públicas.

Essas medidas permanecerão em vigor pelo menos por duas semanas. O cumprimento das regras será controlado pela polícia e os infratores serão penalizados.

Itália: Uma caminhada pode custar 3.000 euros

Na Itália um cidadão tem que dar uma boa razão para sair de casa. Foto: Reprodução

A Itália está usando drones para monitorar a situação durante a quarentena. A permissão para usar drones expirará em 30 de abril, quando a proibição de viajar para a Europa poderá ser teoricamente levantada. Existem algumas restrições no uso de drones. Por exemplo, eles não podem ser usados nas proximidades de aeroportos civis, e o peso máximo de um drone é de 25 kg.

As multas para quem não respeitar a quarentena são pesadas. Uma pessoa andando na rua sem uma boa razão, como fazer compras ou ir e vir do trabalho, é multada em 3.000 euros. De acordo com a resolução do governo, os infratores de quarentena podem ser condenados a três meses de prisão, e uma sentença mais longa é possível por violações mais graves.

Desde o início da quarentena, as polícias de várias cidades italianas usam alto-falantes para explicar as regras e pedem a todos que fiquem dentro de casa e à distância uns dos outros.

Espanha: Ruas controladas por drones

Polícia da Espanha usa drones para pedir que cidadãos saiam das ruas — Foto: Reprodução/BBC
A polícia espanhola também está usando drones para controlar o cumprimento do requisito de autoisolamento. Foto: Reprodução Polícia Municipal Madrid

Na Espanha, as regras são praticamente as mesmas da Itália. A polícia espanhola também está usando drones para controlar o cumprimento do requisito de autoisolamento. Os infratores podem ser multados em até 600 euros, ou presos.

França: Explique porque você está saindo!

Na França, as medidas não são tão rigorosas quanto em outras partes da Europa, onde as pessoas são proibidas de se exercitar ao ar livre. No entanto, o ministro da Saúde francês disse que a extensão da quarentena de 15 dias é altamente provável. A regra é que todas as pessoas que saem de casa devem preencher um formulário indicando o motivo da sua decisão. Boas razões são exercícios físicos individuais, compras de alimentos ou medicamentos e um passeio com um cachorro. A polícia francesa já multou mais de 4.000 pessoas em 135 euros por violar a quarentena. Cerca de 100.000 políciais foram mobilizados e barreiras foram implantadas em todo o país para garantir a conformidade com as regras.

Islândia: Três níveis de risco

Existem restrições semelhantes em todos os lugares. Na Islândia, a polícia tem nove divisões independentes, espalhadas por todo o país, e cada uma delas chefiada por um comissário; o comissário de polícia nacional faz parte da estrutura policial. Ele é responsável pelo Departamento de Proteção Civil e Gerenciamento de Emergências. Esta agência e a Diretoria de Saúde determinam níveis de emergência – existem três níveis no total.

Atualmente, o terceiro nível – estado de emergência – está em vigor. A Diretoria de Saúde faz recomendações ao Ministério da Saúde, que restringe as viagens, fecha instituições públicas e estabelece um procedimento para essas medidas. Ele se baseia em recomendações de especialistas da equipe de epidemiologistas. É importante ressaltar que a polícia da Islândia aplica as restrições, se necessário. Até agora, não houve necessidade de uso da polícia.

Alguns policiais ficaram em quarentena depois que seus contatos ou pessoas que haviam prendido deram positivo para o coronavírus. Vários oficiais foram colocados em quarentena obrigatória de duas semanas. A Islândia é um país pequeno, e as pessoas fazem o que as autoridades mandam nessas situações. Não é permitido que mais de 20 pessoas compartilhem um quarto a uma distância de dois metros uma da outra. O governo ofereceu a médicos aposentados serem registrados como força de trabalho de reserva. A mesma oferta foi feita a ex-policiais, bombeiros, funcionários de serviços de emergência, etc.

República Tcheca: Rua esvaziada para a coletiva na TV

Na República Tcheca, às 14h, todos os dias, três pessoas – o Superintendente do Comissário Nacional de Polícia, o chefe da Diretoria de Saúde e um epidemiologista – dão uma entrevista coletiva para informar sobre a situação e as medidas atuais, que foram tomadas e planejadas para o futuro. O primeiro-ministro e os membros de seu gabinete ficam em segundo plano e dão suas coletivas de imprensa que informam o público sobre medidas de apoio à economia e questões relacionadas.

Grécia: Envio por celular de licenças para dirigir

Todos que retornam do exterior devem ficar em quarentena por 14 dias. O cumprimento das regras é verificado regularmente pela polícia e os infratores pagam grandes multas. Foto: Reprodução

Na Grécia, todas as lojas e empresas, exceto farmácias, supermercados e instalações similares, ficam fechadas. Os supermercados também funcionam aos domingos, a partir das 7h. Restaurantes e cafés estão funcionando, mas apenas para entregar comida e oferecer um menu para viagem.

Não é permitido tráfego motorizado sem licenças especiais. Para se fazer compras essenciais, visitar uma farmácia, correr sozinho, passear com um cachorro e sempre a população é orientada a manter uma distância de dois metros um do outro. Estas licenças são recebidas por telefone celular e indicam o local de partida, o local de retorno e o prazo exato.

Todos que retornam do exterior ficam em quarentena por 14 dias. O cumprimento das regras é verificado regularmente pela polícia e os infratores pagam grandes multas. O licenciamento da polícia, militares, médicos e enfermeiros foi suspenso. Além disso, três grandes hospitais estatais em Atenas e uma clínica privada foram transformados em instalações de coronavírus.

Irã: Verificação de temperatura nas barreiras

O Irã criou grupos que incluem policiais e voluntários para rastrear turistas que saem das grandes cidades em 13 províncias, incluindo a capital Teerã. As equipes verificam a temperatura dos turistas nas barreiras e enviam as pessoas febris para os centros de quarentena.

O país deu férias para 85.000 presos, na tentativa de conter o vírus. O presidente Rouhani ordenou que todos os shopping centers e bazares fiquem fechados por 15 dias. A única exceção foi feita para farmácias e lojas de alimentos. As autoridades também fecharam os principais locais religiosos. Cartas de condução (prisão) são revogadas por estado de emergência.

Peru: “Perdido” dá multa de US$ 1.800

As patrulhas monitoram todos os movimentos de civis ao ar livre. O toque de recolher entra em vigor das 20h às 5h. Foto: Redes sociais/Presidencia Peru

O Peru declarou estado de emergência em 16 de março. Todos os estabelecimentos de ensino, shoppings, restaurantes e centros culturais estão fechados. Nenhum dos postos de controle terrestres, marítimos e de fronteira da aviação está funcionando.

Todos os vôos domésticos e internacionais, bem como o serviço interurbano de ônibus e trem estão suspensos, e a intensidade do transporte público das cidades, incluindo táxis, foi reduzida. Motoristas de veículos utilitários solicitam permissões especiais ao Ministério do Interior. Aqueles que violaram o estado de emergência são detidos, revogadas as licenças e multados em 6.300 sóis peruanos (cerca de US$ 1.800). Todos os eventos esportivos, culturais, sociopolíticos e outros foram cancelados e empresas e públicas e privadas não estão funcionando.

O estado de emergência está sendo fiscalizado por 80.000 policiais e 20.000 policiais estão de prontidão. Enquanto isso, a Polícia Nacional do Peru tem 135.000 soldados. Consistentes com a lei em situações de emergência, as Forças Armadas estão ajudando a proteger a paz pública e 60.000 militares estão patrulhando as ruas.

As patrulhas monitoram de perto todos os movimentos de civis ao ar livre. O toque de recolher entra em vigor das 20h às 5h. Os infratores enfrentam uma conversa preventiva e geralmente voltam para casa depois de passar 24 horas em uma delegacia. Também há charme local: Todos os dias antes do toque de recolher, os agradecimentos do povo começa às 20h. As pessoas sobem às janelas ou ficam nas sacadas para aplaudir o trabalho de policiais, militares e médicos.

Cuba: Ação de registrar seus contatos

O país recomenda aos cidadãos e expatriados que permaneçam em quarentena e não deixem seus apartamentos, casas ou hotéis sem uma boa razão. Apenas um membro da família pode sair para comprar medicamentos e alimentos, trabalhar ou outro motivo essencial.

Cingapura: Quem chega, fica isolado por 2 semanas

Os residentes de Cingapura, no sudeste da Ásia, pagam uma multa de 10.000 dólares cingapurianos por violar o regime de autoisolamento de duas semanas pela primeira vez. Outra pena é uma prisão de até seis meses. Tais medidas são tomadas contra pessoas que recebem o aviso de permanecer em casa.

Todos que chegam a Cingapura precisam se autoisolar por 2 semanas. Uma violação reincidente do regime de autoisolamento é penalizada com multa de até 20.000 dólares cingapurianos e/ou prisão por até 12 meses. Os cidadãos que violarem o aviso de permanência em casa podem ser impedidos de visitar o país novamente e sua permissão de estudo ou trabalho pode ser revogada.

Hong Kong: Fechamento dos parques temáticos

O governo de Hong Kong declarou o surto de coronavírus “uma situação de emergência” e emitiu o alerta mais alto. Os maiores parques temáticos da cidade – o Hong Kong Disneyland Resort, o Ocean Park Hong Kong e o Madame Tussauds Hong Kong – fecharam em 26 de janeiro até novo aviso.

As pessoas que violarem as regras de quarentena depois de chegarem a Hong Kong, procedentes da China continental, pagarão multa ou passarão 6 meses na prisão. A multa é de US$ 25.000 em Hong Kong ou um pouco mais de US$ 3.200. Residentes da cidade que transportam mercadoria do outro lado da fronteira não estão sujeitos à quarentena, mas ficam sob observação médica. Dever de obedecer demanda legal de um policial durante o estado de emergência.

Deixe um comentário