Ébano e diamante

Em profusão e bastante diversificadas as manifestações populares postadas nas redes sociais, na internet, parecendo descambar para o fanatismo, a maior parte delas, enaltecendo a marcante e firme atuação do ministro Joaquim Barbosa, relator do processo do mensalão, em julgamento pelo Supremo Tribunal Federal.

Indiferente às postagens – e, diga-se de passagem, todas elogiosas – algumas delas com viés humorístico, o ministro que não se curva nem se deixa levar por apelos outros que não os ditames legais, com toda honradez, dignidade e independência, que lhe são peculiares, proferiu seu voto condenatório daqueles integrantes do processo a que respondem perante a Suprema Corte, no primeiro dos sete lotes em que fora transformado o mega processo, critério mais prático, tecnicamente falando, para o julgamento. Contudo a indiferença do ministro a tais manifestações, faz todo sentido. Ele, como todos os julgadores, deve se nortear pelos princípios éticos e de independência, não se deixando influenciar por nada a não ser a lei e a sua consciência.

O voto do cortejado ministro Joaquim Barbosa foi corroborado e seguido pela grande maioria dos onze integrantes da Suprema Corte. Aqueles que não o seguiram decerto têm seus motivos para assim decidir. A consciência e o voto são deles. Que colham deles o melhor proveito.

Enquanto isso, a opinião pública, que pouco importa às decisões judiciais, faz repercutir o sentimento popular, que vê sinais da feitura da justiça, da presença eficaz do Estado através do poder judiciário, que ao cabo de tudo, terá seu veredito respeitado e, espera, os verdadeiros culpados por dissipar a economia da Nação sejam punidos, na forma da lei.

Pudesse instituir classificações para o ministro Joaquim Barbosa, por todos os louros, diria que, ecologicamente, compararia-o ao ébano; mineralogicamente ao diamante e, humanamente, ao homem da maior lucidez, equilíbrio, independência, sobriedade e de altíssimo saber jurídico, o que lhe confere todas as profissões de respeito e admiração.

Deixe um comentário