DF tem carência de médicos do coração

Baixos salários e falta de atrativos na carreira pública resultam em deficit de cardiologistas. Estima-se que o setor precisa de reforço de 250 profissionais

Cirurgia cardíaca em andamento: no DF, especialista da área recebe R$ 3 mil a menos do que o piso proposto pela Federação Nacional de Médicos (Monique Renne/CB/D.A Press - 6/1/12)
Cirurgia cardíaca em andamento: no DF, especialista da área recebe R$ 3 mil a menos do que o piso proposto pela Federação Nacional de Médicos

Para se tornar independente de qualquer convênio com instituições privadas ou de outras unidades da Federação, a cardiologia pública do Distrito Federal precisaria de um reforço estimado de 250 médicos. Mas esta tem se mostrado das mais difíceis tarefas para a Secretaria de Saúde do DF. O último processo seletivo aberto para a contratação temporária de cardiologistas tinha 48 vagas e um salário de R$ 10 mil mensais durante um ano. Apareceram apenas 12 candidatos. No fim, o governo contratou oito médicos.


Atualmente, os hospitais públicos contam com 121 cardiologistas concursados. O salário inicial para uma jornada de 20 horas é de R$ 7 mil. São R$ 3 mil a menos do proposto como piso pela Federação Nacional de Médicos para a mesma carga horária. “Não é apenas com a cardiologia. Isso é um problema em todas as especialidades. Faltam políticas para melhorar a remuneração e as condições de trabalho”, critica o presidente do Sindicato dos Médicos do DF, Gutemberg Fialho.


Fonte: Correio Braziliense

Extratos dos Jornais

Deixe um comentário