Contribuinte pagará acordo com caminhoneiros

Caminhoneiros paralisando a BR-040 , em Valparaíso (GO) na manifestação contra o aumento de combustíveis. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, afirmou nesta segunda-feira  (28) que as medidas adotadas no acordo com os caminhoneiros não acarretarão nenhum impacto para o próximo o governo. Ele adiantou que o governo vai cortar R$ 3,8 bilhões em despesas do Orçamento para garantir a redução de R$ 0,46 do valor do preço do óleo diesel. O custo da redução do preço do diesel deve ficar em R$ 9,5 bilhões este ano, parte dos recursos virá do Orçamento. O restante será obtido pela reoneração da folha de pagamento para compensar a eliminação da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide-combustíveis) sobre o diesel, assim como a criação de um programação de subvenção.

“Tínhamos um problema gravíssimo para resolver. Evidentemente, isso tem um impacto na nossa margem. Nós fomos até o limite do que poderíamos fazer”, disse o ministro. Guardia disse ainda que o Conselho de Administração da Petrobras vai analisar nesta terça-feira (29), a nova política de preços para o óleo diesel. Em discussão, a proposta de reajuste daqui a 60 dias, depois mensalmente.  O ministro ressaltou que a Petrobras terá liberdade para definir a política de preços.

One Response

  1. O que não seexplica é a nossa gasolina ser vendida no exterior a R$ 2,50,00 o litro e no território nacional a quase R$ 5,00,00.

    O que o governo brasileiro tem de corrupto também o tem de manipulador.

Deixe um comentário